O beta de Overwatch 2 traz de volta o caos e a alegria dos primeiros dias de Overwatch

Reformulações de heróis e mapas expansivos dão aos jogadores a experiência mais rápida e envolvente pela qual eles estão implorando.

Imagem via Blizzard Entertainment

Após anos de decepções e atrasos, uma nova era está finalmente começando para os fãs de Overwatch. Mais de dois anos após seu anúncio inicialOverwatch 2 lançará um beta fechado de seu modo PvP em 26 de abril, finalmente dando aos jogadores sortudos a chance de mergulhar na competição cinco contra cinco, além de mapas atualizados, um novo modo de jogo e um poderoso herói DPS. 

A Dot Esports teve a chance em março de testar o alfa fechado da sequência ao lado de funcionários da Blizzard Entertainment e jogadores da Overwatch League, que usarão a compilação quando a temporada começar em 5 de maio. 

O que encontramos foi um jogo que trouxe o espírito caótico de volta ao mundo de Overwatch, não mais preso a escudos sem fim ou design de mapas questionável. Embora a sequência e suas muitas novas adições certamente tenham algumas dores no crescimento, Overwatch 2 deve injetar a comunidade com a emoção que ela esperava por todo esse tempo. 

Nossas impressões são baseadas apenas na versão alfa, especialmente após uma grande atualização de balanceamento que ocorreu em 24 de março, e podem não refletir a versão beta conforme ela progride nos próximos meses.  

Novas adições 

Em um nível estético, a engine atualizada de Overwatch 2 torna tudo mais suave e envolvente. Mesmo pequenas mudanças, como a interface de usuário mais limpa no jogo e sons atualizados, fazem com que o jogo pareça ter recebido um ajuste muito necessário. O novo sistema de ping também adiciona um nível de acessibilidade para jogadores que não querem acessar canais de voz. Tem uma curva de aprendizado, mas é fácil de se ajustar.  

Embora quase todos os heróis tenham pelo menos um pequeno retrabalho para Overwatch 2, o verdadeiro atrativo do PvP beta são os novos recursos brilhantes para os jogadores se dedicarem. Essas adições dão uma nova vida a um jogo que, em alguns momentos do ano passado, parecia estar desaparecendo.

Overwatch 2 traz o modo de jogo Push, junto com dois novos mapas, New Queen Street e Colosseo, para substituir efetivamente o Assault (também conhecido como 2CP) em jogos casuais e competitivos. Independentemente de ter sido intencional, Push acabou sendo o oposto do modo de jogo Assault, e todos nós somos preferimos assim. 

Na melhor das hipóteses, Push é um modo rápido e muitas vezes caótico que lembra os primeiros dias da base de Overwatch, onde ninguém sabia o que estava fazendo além de empurrar uma carga pelo mapa. De alguma forma, isso é profundamente satisfatório depois de anos de metas obsoletos e jogadas ensaiadas.

Captura de tela via Overwatch 2

Ambos os mapas Push têm um “caminho” definido para os jogadores guiarem o alegre e maravilhoso robô T.W.O, provavelmente a próxima obsessão da comunidade, para destinos selecionados. Ao longo do caminho, no entanto, parece que os mapas têm uma quantidade quase ilimitada de pontos de entrada e saída para equipes e flancos. Este é o benefício do modo e seu prejuízo: menos pontos de estrangulamento tornam o modo de jogo mais emocionante, mas os jogadores podem ser facilmente sobrecarregados por ataques surpresa constantes. 

Isso se estende aos outros dois novos mapas que a sequência traz, o mapa Escort Circuit Royal e o mapa Hybrid Midtown. Ambos têm estágios verticais intensos que faltam no jogo base, abrindo os jogadores para um jogo mais móvel que beneficie a todos. Para o melhor, os dias de atacar sem pensar as muralhas do forte de Havana por sólidos quatro minutos acabaram. 

Sojourn

Não importa quantos mapas sofisticados os desenvolvedores adicionassem, a verdadeira estrela do PvP beta sempre seria Sojourn. Como a primeira heroína lançada em mais de dois anos, seu estilo de jogo foi preparado para ser um sucesso. Felizmente para os fãs, ela atende as expectativas, com algumas ressalvas. 

Sojourn é, acima de tudo, realmente divertida de jogar. O disparo primário de sua Railgun parece algo saído de um jogo de ficção científica da melhor maneira possível, acumulando energia brilhante à medida que você acumula acertos diretos. Usar seu disparo secundário que opera com essa energia armazenada leva muito tempo para se acostumar, mas pode ser mortal depois que você se ajustar.

Seu Disruptor Shot, que causa lentidão aos jogadores e causa dano, é divertido de usar, mas muito menos divertido de jogar contra. Depois de se acostumar com os sinais sonoros, é fácil se esquivar, mas pode rapidamente sobrecarregar heróis com menos saúde e se tornar a habilidade mais irritante que resta no jogo. Sua suprema, Overclock, também induzirá admiração ou raiva, dependendo de qual lado você está. 

Nas mãos de jogadores com ótimo rastreamento, como os melhores da Overwatch League, Sojourn pode destruir um time quando recebe amplo suporte. Não duvidamos que ela será muito utilizada no futuro. Por enquanto, os jogadores podem aproveitar a diversão de uma nova heroína com um kit que não parece impossível de usar ou evitar. Certamente não poderíamos dizer o mesmo sobre Brigitte ou Echo em seus respectivos lançamentos. 

Retrabalhos de heróis 

Muitos jogadores de Overwatch têm gritado no vazio das mídias sociais em busca de mais balanceamento e menos habilidades “irritantes” na maior parte dos últimos dois anos. Estamos felizes em dizer que suas demandas não foram ignoradas em Overwatch 2.

Várias das habilidades mais indutoras de raiva do jogo, como o Golpe de Escudo de Brigitte e a função de congelamento no Aniquilador Endotérmico de Mei, foram totalmente removidas ou substituídas. Por exemplo, o Clarão de Cassidy agora é um clarão eletromagnético que causa dano sem abrir os jogadores para tiros na cabeça instantâneos.

Habilidades que exigiam total comprometimento e muitas vezes significavam morte certa, como a Investida de Reinhardt, foram ajustadas para serem mais fáceis de usar, enquanto heróis que estagnaram devido a habilidades fracas foram ajustados. Veja Zarya, que agora tem várias cargas de seus escudos compartilhando um tempo de recarga, permitindo um jogo mais rápido e melhor coleta de energia. 

De todas as coisas que os desenvolvedores de Overwatch 2 fizeram certo, esta é uma área em que eles absolutamente se destacaram.

Heróis totalmente reformulados também são uma delícia. Embora Doomfist seja menos ameaçador na retaguarda, agora que foi reimaginado como um tanque, ele ainda é irritante o suficiente para ficar na cara do inimigo e exigir espaço. Orisa é esmagadoramente o melhor retrabalho do PvP beta. Não mais satisfeito em ficar atrás de um escudo, o tanque agora é um dínamo de arremesso de dardo com uma suprema que leva os inimigos à destruição. Não subestime Orisa. 

Jogabilidade geral 

Jogadores de longa data de Overwatch lembram-se dos primeiros dias do jogo, onde escolher seis D.Vas para manter um ponto era uma estratégia real. Embora a sequência não traga esse nível de caos de volta ao jogo, a mudança para cinco contra cinco e vários retrabalhos de heróis dão um nível de emoção a Overwatch que não sentimos há anos. 

Ter equipes de cinco jogadores significa que cada eliminação parece realmente contar nos jogos de Overwatch 2. Todo jogador sente que está realmente realizando algo durante uma partida. A capacidade de carregar, ou ser preguiçoso e ser carregado, é bastante reduzida, o que significa que as partidas parecem muito mais envolventes do que no jogo base. 

As partidas parecem muito mais rápidas e os novos mapas trazem especialmente um nível de caos muito necessário ao jogo. Inimigos surgem do nada para iniciar ataques e companheiros de equipe estão espalhados em diferentes áreas. Isso pode ser um prejuízo para os novos jogadores, que provavelmente ficarão sobrecarregados e podem não aproveitar a experiência. Mas para os fãs de Overwatch de longa data, é exatamente o que eles estão pedindo. 

Os dias de ficar atrás de um escudo de Orisa e sentado em uma carga útil por três minutos sólidos, felizmente, já se foram. Dito isto, o único prejuízo do PvP beta é que a importância de certos papéis geralmente parece desequilibrada. 

No Overwatch básico, um bom jogador de DPS pode levar um time à vitória se receber apoio suficiente. Embora este não seja um bom modelo, o poder parece ter oscilado na outra direção em Overwatch 2. Pelas nossas experiências, parece que os jogadores de tanques detêm todo o poder.  

Durante uma partida, perder um jogador DPS reduz o dano, mas a equipe pode sobreviver. Perder um suporte parece tão catastrófico quanto no jogo base. Perder seu único tanque, no entanto, parece uma sentença de morte instantânea para toda a equipe em Overwatch 2.

Além disso, uma diferença de habilidade parece muito mais óbvia no papel de tanque. Um suporte melhor é quase imperceptível e, a menos que eles estejam acertando tiros na cabeça constantemente, um ótimo DPS é apenas um benefício leve. Ter um tanque melhor parece o caminho mais fácil para a vitória certa, o que pode ser uma má notícia para o equilíbrio da equipe. 

Há um grande potencial para o jogo parecer desequilibrado dessa maneira, especialmente à medida que mais heróis entram na briga. Overwatch 2 ainda é um trabalho em andamento. Se ser destruído por jogadores de tanques talentosos é nossa maior reclamação, os jogadores devem fazer bem em lembrar que poderíamos ter muito pior. Faça login em um jogo no Hanamura e conte o que achou. 

No geral, Overwatch 2 é caótico, rápido e muitas vezes imprevisível. Embora definitivamente tenha que sobreviver a alguns obstáculos, essa iteração do jogo é a emoção pela qual os jogadores estão implorando. Se você tiver a sorte de conseguir uma entrada cobiçada na próxima era de Overwatch, faça fila com alguns amigos; você vai se lembrar por que você se apaixonou por este jogo em primeiro lugar. 

Artigo publicado originalmente em inglês por Liz Richardson no Dot Esports no dia 21 de abril.