O que Wild Rift precisa para ser um jogo competitivo

Esses são os recursos que mais sentimos falta em Wild Rift.

Imagem via Riot Games

Já se passaram alguns dias desde que Wild Rift foi lançado em dispositivos móveis na Europa e as primeiras impressões são boas.

O jogo é divertido. Você pode jogar em qualquer lugar, as partidas são curtas e frenéticas e a jogabilidade é bem adaptada para dispositivos touchscreen. Mas faltam algumas características, especialmente se pensarmos no potencial competitivo do jogo para os próximos meses ou mesmo anos.

Aqui estão os recursos que gostaríamos de ver nas próximas atualizações desta versão portátil de League of Legends e outras necessidades importantes para o jogo se tornar um e-sporte de primeira linha.

Fila por posição

Esta é provavelmente a função que mais sentimos falta e uma das mais necessárias para forjar um sistema competitivo decente. Ao contrário do LoL, agora em Wild Rift, há apenas um tipo de fila de qualificação semelhante ao que conhecemos como escolha às cegas na versão para PC. Isso causa muitos problemas durante o processo de seleção de campeão. Muitas pessoas geralmente acabam indo para a mesma rota, o que obviamente causa situações estranhas no jogo.

Se a Riot está realmente interessada em fazer de Wild Rift um jogo competitivo e um e-sporte de primeira linha, a capacidade de entrar na fila por posição é um dos recursos mais urgentes que devem ser adicionados a este título móvel.

Fila solo e fila flexível

Além das filas por posição, a Riot deve permitir que os jogadores joguem fila solo (fila máxima de dois jogadores em equipe) ou fila flexível (fila máxima de cinco jogadores em equipe).

Essas duas filas (especialmente fila solo) são importantes para os profissionais do LoL. Isso significa que provavelmente seria um recurso que os interessados ​​em se tornarem profissionais do Wild Rift apreciariam.

Modo espectador

Um modo de espectador é outro recurso necessário que deve ser adicionado ao Wild Rift. É essencial quando se trata de realizar torneios profissionais ou apenas poder ter liberdade com a câmera do jogo e uma visão mais global dos jogos para fazer análises VOD, por exemplo. Isso ajudaria as equipes a melhorar seus treinos e levar a uma prática mais produtiva.

Mais campeões, runas e itens

Wild Rift já tem muito conteúdo, mas achamos que não é suficiente se pretende ser um e-sporte de primeira linha. | Imagem via Riot Games

É verdade que Wild Rift tem muito conteúdo considerando que acabou de ser lançado. Mas ainda não é suficiente ter a variedade necessária para criar e manter um ambiente competitivo novo e renovado.

No momento, existem 47 itens, mais de 40 campeões e nove runas principais em Wild Rift. Se a Riot quiser que Wild Rift seja um e-sporte de sucesso, ela precisará aumentar significativamente o número de itens e campeões disponíveis no jogo ao longo do tempo.

Um diferencial do LoL

Wild Rift também precisa ter sua própria identidade, algo que fará as pessoas quererem assistir Wild Rift em vez de LoL. No momento, a percepção geral da comunidade é que Wild Rift é apenas uma versão portátil de LoL

A Riot precisa mudar essa ideia se quiser criar um ambiente competitivo em torno de seu novo jogo para celular. Uma boa ideia seria apresentar conteúdo exclusivo para Wild Rift, dando aos fãs de LoL algo que eles só podem obter com o título móvel.

Wild Rift definitivamente tem potencial para se tornar um título com uma poderosa faceta competitiva. Mas para que isso aconteça, a Riot terá que se esforçar para oferecer à comunidade algumas ferramentas que possam facilitar o desenvolvimento desse lado competitivo do jogo.


Siga-nos no  YouTube  para mais notícias e análises de e-sports.

Artigo publicado originalmente em inglês por Pablo Suárez no Dot Esports no dia 18 de dezembro.