Fnatic e Liquid enfrentam possível eliminação na chave dos perdedores do The International 2019

O futuro desses times no torneio está por um fio e uma partida fará toda a diferença.

Foto via EPICENTER

Oito times vão lutar pela sobrevivência no primeiro dia do evento principal do The International 2019. Alguns vão respirar aliviados, mas muitos vão se martirizar por cometer os erros que levaram a sua eliminação.

A primeira rodada de confrontos entre os últimos colocados da primeira fase do TI9 será intensa. Cada time terá uma rodada eliminatória, com apenas um jogo os separando da chance de continuar. Se perderem um jogo, estão fora e a temporada acabou.

Todos os quatro jogos acontecerão no primeiro dia do evento principal e terão implicações imensas para o futuro de oito times e seus jogadores. O TI é o maior evento de Dota 2 do ano: jogue bem e pode até acabar no caminho para o superestrelato, mas jogue mal e sua carreira profissional pode ser interrompida.

Os times que perderem na primeira rodada vão sair do torneio com pouco mais de 500.000 dólares em dinheiro, e os que passarem garantem, no mínimo, 670.000 dólares. Depois de uma primeira rodada eliminatória cansativa, eles passam para um formato melhor-de-3.

Os fãs verão alguns rostos inesperados nessa fase, em particular a Team Liquid. Os antigos campeões do TI vão enfrentar a Fnatic em um duelo eliminatório para tentar manter o sonho vivo.

Na famosa campanha da Liquid no TI7, o time começou estável na chave dos vencedores na primeira fase, mas caiu rapidamente com uma derrota para a Invictus Gaming. Eles continuaram subindo depois disso, terminando com uma vitória de 3-0 sobre a Newbee. 

Agora, a Liquid vai precisar encontrar aquela energia outra vez se quiser passar pelas estrelas do Sudeste Asiático, a Fnatic. A Fnatic tem superado as expectativas e estava a um só jogo de garantir a vaga na chave dos vencedores. A única série de jogos em que os dois se enfrentaram nesta temporada foi no Chongqing Major, onde a Fnatic derrotou a Liquid por 2-0.

Esse pode ser um dos conflitos mais inesperados da chave dos perdedores. Tanto a Liquid quanto a Fnatic já ficaram entre os 3 primeiros colocados de um Pro Circuit Major de Dota nesta temporada, terminando, respectivamente, em quinto e sétimo lugar. A Fnatic parece ter mais magia do seu lado e adaptou bem sua estratégia para lutar contra times mais fortes na fase de grupos, enquanto a Liquid não tem atingido os padrões altos que já provou que consegue atingir.

Ao mesmo tempo, a Alliance enfrenta a Royal Never Give Up. A Alliance mostrou seu potencial no Grupo A, vencendo partidas contra todas as equipes exceto a Team Secret. A RNG só mostrou a que veio no dia três da fase de grupos, impedindo a eliminação ao vencer quatro jogos contra a Natus Vincere e a Ninjas in Pyjamas. 

Os dois times já se enfrentaram antes no EPICENTER Major, com vitória da Alliance por 2-1. A Alliance tem a história a seu favor, e só precisa garantir que não perca para mega creeps de novo.

Não levou muito para a Infamous virar uma das favoritas dos fãs no TI9. Sua agressividade e suas escolhas não-convencionais pegaram vários times de surpresa. O fato de a Infamous se concentrar mais em conforto que no meta inspirou alguns dos times azarões a se arriscar mais com suas escolhas, priorizando heróis que estejam acostumados a usar. Um desses times foi a Keen Gaming, que concentrou o dano no esquecido Phantom Assassin. Agora, os dois times se enfrentam na chave dos perdedores.

Os dois times querem provar que seu lugar é no TI. E, mesmo que a Infamous tenha mais fãs do seu lado, a Keen estará em sua cidade de origem.

A Mineski vai enfrentar a Na’Vi para encerrar o último dia do evento principal. Os dois times chegaram ao TI pelas classificatórias regionais e se mostraram promissores na fase de grupos. A Mineski venceu alguns jogos difíceis contra a TNC Predator, a Liquid e a Secret, enquanto a Na’Vi dominou os jogos contra a Virtus Pro e venceu uma contra a OG. Os dois times só se encontraram em um evento que não fazia parte do DPC, o ESL One Mumbai, e a Mineski venceu por 2-1.

A Na’Vi parece estar sem criatividade, enquanto a Mineski mostrou grande melhora depois de trazer Chai “Mushi” Yee Fung como técnico. Mushi pode ser o que vai acabar com a Na’Vi. A primeira aparição da organização ucraniana no TI em dois anos corre perigo de acabar quando as partidas voltarem.

Artigo publicado originalmente por Dexter Tan Guan Hao em inglês no Dot Esports no dia 19 de agosto.