Não é culpa de VALORANT que outros jogos estejam morrendo

Muitos já estão chamando VALORANT de matador de jogos, mas ignoram como outros jogos falharam em suas respectivas cenas competitivas.

Imagem via Riot Games

Na semana passada, o jogador mais conhecido de Overwatch deve ter sido o astro DPS da San Francisco Shock, Jay “Sinatraa” Won. Sinatraa ganhou quase todas as conquistas que pôde no ano passado. Ele venceu as grandes finais da Liga Overwatch de 2019, Copa do Mundo, MVP da Overwatch League e MVP da Copa do Mundo. Se você tivesse que escolher um jogador da Liga Norte-americana de Overwatch que um não-fã pudesse reconhecer, Sinatraa seria a escolha certa.

Esta semana, Sinatraa não joga Overwatch. Ele se aposentou do jogo, desocupou seu contrato de seis dígitos com o San Francisco e deixou para trás um grande time e a liga em que era uma estrela para jogar VALORANT, um jogo que ainda não tem um cenário de esports.

Muita coisa pode mudar em uma semana. E com VALORANT como o novo valentão no playground, a cena do esports está prestes a mudar mais rapidamente do que vimos há algum tempo. Há mais do que algumas pistas de que VALORANT pode acabar com alguns esports completamente, atraindo jogadores e atenção de títulos como OverwatchApex Legends e Fortnite.

Mas é injusto dizer que VALORANT é um matador de jogos. Jogos como OverwatchFortnite e Apex estão matando suas próprias cenas de e-sports.

VALORANT nunca iria chegar nos esports em silêncio. O novo título da Riot Games ainda só é compreensível analisando outros jogos pelos quais é claramente influenciado. É um jogo de tiro tático quase idêntico em sua mecânica principal ao Counter-Strike, com economia no jogo, uma bomba para plantar ou desarmar, partidas criadas ao redor de vários locais de bombas e jogadas suaves e nítidas. É também um jogo de tiro com heróis, com cada personagem possuindo habilidades únicas, como teletransporte, avanços, ataques de artilharia e algo tão suspeito quanto uma parede feita de gelo. Ele pega livremente algo de um território desgastado para criar outra coisa familiar e nova, e usa essa nova familiaridade para atrair jogadores de muitos jogos diferentes.

Para muitos jogos, isso é um problema. Existem tantos jogadores e personalidades famosas por aí, e não é fácil substituí-los.

Não é apenas Sinatraa. O Fortnite contribuiu com criadores de conteúdo e jogadores competitivos, de Ali “Myth” Kabbani da TSM a Jake “POACH” Brumleve da Team Liquid e Jason “Tennp0” Wang da FaZe Clan. O Counter-Strike estará bem representado, com a T1 já assinando Braxton “Brax” Pierce e Keven “AZK” Larivière (ambos membros permanentemente banidos dos eventos da Valve por seu papel no escândalo de manipulação de resultados de 2014 da iBUYPOWER). A estrela da NRG de Apex, Brandon “aceu” Winn, está mudando para VALORANT também, e o ex-companheiro de equipe Coby “tonto” Meadows triturou o jogo desde seu lançamento beta. E há algumas pessoas que viram sucesso e notoriedade em vários jogos se juntando a eles, como Jared “zombs” Gitlin da Sentinel e Lucas “Mendo” Håkansson da Liquid, ambos veteranos de Overwatch e Apex Legends.

Todos esses jogadores estão mudando por várias razões. No momento, há muito dinheiro sendo gasto pelas organizações, com alguns relatórios dizendo que as ofertas para jogadores chegam a US$ 20.000 por mês. Mais jogadores são atraídos para um jogo feito pela Riot, que provou ser capaz de nutrir uma enorme cena de esports em League of Legends, bem como a promessa de VALORANT de um sistema anti-fraude robusto e servidores de 128 ticks, criando uma ótima experiência de jogo para jogadores que procuram um jogo competitivo. 

Mas chamar VALORANT de matador de jogo é um erro. Esses jogadores não estão trocando de jogos apenas por causa de VALORANT. Eles estão trocando de jogos porque seus jogos antigos falharam em manter a cabeça acima da água.

A razão de Sinatraa para deixar o jogo que alcançou o auge? A falta de paixão por Overwatch, esmagada pelos longos tempos de fila e pelo sistema de papéis da Blizzard, surgiu como uma alternativa à introdução de proibições de heróis, o que ironicamente era um meio de tentar tornar o jogo mais emocionante, forçando novos metas semanais. Os profissionais de Fortnite há muito tempo criticaram várias mecânicas que a Epic Games introduziu no jogo, o que o deixou desequilibrado para a competição, principalmente adicionando a Infinity Blade no mesmo dia do torneio de Winter Royale. A cena profissional do Apex Legends lutou muito com um sistema de scrim de terceiros inconsistente, servidores atrasados ​​durante a competição on-line e trapaceiros desenfreados no modo classificado do jogo.

VALORANT, em comparação, ainda é novo, ainda em beta, e acaba de lançar seu próprio modo de jogo classificado. Mas o jogo promete algo que todos os seus concorrentes parecem ter perdido: um jogo justo e competitivo que funciona da maneira que deveria.

Algum desses jogos e suas cenas de e-sports realmente morrerão? Talvez. É muito cedo para dizer.

O Fortnite ainda desfruta de uma audiência enorme e provou seu poder de permanência na Twitch, mas provavelmente precisa abordar seriamente sua filosofia de balanceamento e o sistema de criação de partidas baseado em habilidades em modos não competitivos.

Jogadores perdendo naturalmente a paixão pelo jogo à medida que são feitas mudanças em Overwatch podem ser inevitáveis, mas a Blizzard precisa desesperadamente revisar seus níveis mais baixos de atuação profissional se quiser que a Overwatch League dure, especialmente com Overwatch 2 no horizonte parecendo cada vez mais um evento do tipo faça ou morra para a liga franqueada.

O Apex parece ser um dos candidatos mais prováveis ​​a morrer, mas o jogo também se mostrou capaz de criar estrelas e promover uma comunidade leal. Correções nos servidores e sistemas anti-fraude ainda poderiam resgatar uma cena que se agarra à vida durante uma pandemia que cancelou os principais eventos da LAN, torneios que certamente gerariam mais interesse e melhor concorrência do que suas séries de torneios online.

Ainda é muito cedo para dar um tempo nesses jogos, assim como ainda é muito cedo para dizer o quão grande será a cena de esports de VALORANT. Os primeiros torneios certamente atrairão grande audiência, com certeza, mas o jogo pode sustentar o interesse ao longo do tempo? Os profissionais escolhidos em outros jogos serão trazidos para VALORANT ou serão rapidamente substituídos por novatos que ainda não ouvimos falar? E os profissionais que mudaram para VALORANT apenas para não encontrar lugar para eles no jogo podem ser tentados a voltar aos que deixaram para trás? Simplesmente não sabemos, até VALORANT realmente ter seu lançamento completo neste fim de ano, e torneios além de “streamers do Jogo X e do Jogo Y atirando um no outro por diversão” começarem a acontecer.

Uma coisa é certa, no entanto: VALORANT não está matando nenhum jogo. Está simplesmente tentando criar um bom jogo por si só. E se outros títulos competitivos no mundo dos esports quiserem sobreviver, eles precisam resolver seus próprios problemas.

Artigo publicado originalmente em inglês por Adam Snavely no Dot Esports no dia 02 de abril.