Desenvolvedora de League of Legends Riot Games é processada por discriminação de gênero

Funcionárias atuais e antigas entraram com o processo nesta semana.

Imagem via Riot Games

A Riot Games está sendo processada por uma funcionária atual e uma ex-funcionária da Riot Games depois de uma investigação da Kotaku sobre a cultura de “homens primeiro” da empresa.

A atual funcionária Melanie McCracken e a ex-funcionária Jessica Negron entraram com a ação coletiva alegando que as mulheres na Riot têm “salários iguais negados” e têm suas “carreiras sufocadas por serem mulheres.” O processo também diz que as condições de trabalho das requerentes foram “impactadas negativamente” devido ao assédio sexual e preconceito, que “predominam no ambiente de trabalho sexualmente hostil da Riot Games.”

As mulheres dizem que a Riot está tentando varrer as alegações trazidas pelo Kotaku para baixo do tapete “com investigações vazias e aconselhamento” e “protegendo os maus atores de qualquer repercussão.” Elas buscam indenização monetária e causar mudanças sociais pela “má conduta perpetrada pela Riot Games”, de acordo com o processo.

O processo de Melanie e Jessica expõe as muitas maneiras pelas quais a “cultura de manos” de Riot desvaloriza as mulheres, tanto por meio da experiência pessoal quanto pelo desenho na matéria inicial da Kotaku.

Em agosto, a Kotaku publicou uma investigação de meses de duração sobre o sexismo na desenvolvedora de League of Legends. O veículo conversou com 28 funcionárias atuais e antigas sobre assédio sexual e misoginia na empresa. Pouco depois de a matéria ter sido publicada, a Riot fez uma publicação descrevendo seus “próximos passos” após a investigação. A empresa pediu desculpas pelos erros cometidos e disse que trabalharia para consertar a cultura da empresa.

“Rioters nos disseram que as medidas que tomamos até agora não são suficientes, e nós concordamos”, um porta-voz da Riot disse no comunicado. “Os problemas que enfrentamos são graves, e para impulsionar esta mudança, precisamos compreender a raiz dos problemas. Essa transformação vai ser a fonte de nossa força no futuro como uma empresa. Para chegar lá, temos de evoluir nossa cultura, preservando as coisas boas que achamos que torna a Riot especial.”

Mas de acordo com o processo, os “próximos passos” da Riot não são suficientes. Vários funcionários de alto escalão acusados ​​no relatório da Kotaku supostamente ainda estão na empresa, mas muitos outros “que foram acusados ​​de facilitar uma cultura tóxica” foram “expurgados”, segundo o Kotaku.

Em setembro, dois ex-funcionários da Riot foram demitidos depois de fazerem declarações públicas sobre um painel de inclusão de gênero realizado pela Riot na PAX West. Muitos fãs de LoL ficaram incomodados de início e acusaram a empresa de “discriminação de gênero” por criar um espaço para mulheres e pessoas não-binárias na indústria.

A Riot, desde então, emitiu uma declaração para a Kotaku sobre o processo. “Embora não discutamos os detalhes do litígio em andamento, podemos dizer que levamos todas as alegações dessa natureza a sério e as investigamos completamente”, um porta-voz disse. “Continuamos comprometidos com uma evolução profunda e abrangente de nossa cultura para garantir que a Riot seja um lugar onde todos os Rioters prosperem.”