Como a Riot anima os campeões do LoL apesar das limitações de design e personalidade

Já viu o esqueleto de Pantheon?

Imagem via Riot Games

As animações são um dos aspectos mais visíveis de um campeão de League of Legends. O movimento que os jogadores veem e sentem no jogo define a personalidade do personagem, mas o que é preciso para criar a animação perfeita? A Riot Games mostrou aos fãs um pouco mais do terceiro passo do processo de criação de personagens.

Depois da arte conceitual e da arte do personagem, a Riot manda os campeões para as equipes de Animação e Arte Técnica. As duas trabalham lado a lado para dar vida aos personagens do LoL. Os animadores têm a tarefa de criar movimentos únicos bem definidos, enquanto os artistas técnicos criam os esqueletos que possibilitam o movimento. Durante o processo de animação, cada campeão acaba trazendo seus próprios desafios na criação de movimentos que definam como jogar e reforcem sua personalidade.

Começando com a atualização completa de Pantheon, a Riot explicou que atualizar um campeão cria um problema diferente: construir em cima dos novos traços, ainda mantendo características que definem o personagem. No caso de Pantheon, a Riot o identificou como um guerreiro robusto que usa sua lança e seu escudo para enfrentar inimigos. Além disso, a Riot também queria expandir e exibir sua resiliência de soldado. No fim, as animações foram feitas para ajudar Pantheon a parecer mais forte e pesado, mas reforçando sua posição como campeão dos deuses.

Com os novos campeões, como Senna e Aphelios, a Riot destacou que o objetivo é explorar o movimento para uma experiência única. Essencialmente, não há limites para os novos campeões, mas eles ainda têm limitações de design e personalidade. No caso de Senna e Aphelios, alguns dos desafios de animação foram relacionados a suas armas.

Senna usa uma arma gigante, com praticamente o dobro de seu tamanho. Para mostrar propriamente a personagem Senna em si, a arma tinha que parecer pesada, mas parecer que não demanda esforço dela. Com Aphelios, o desafio era descobrir como alternar entre todas as suas armas com fluidez, especialmente levando em conta que tudo depende da arma que ele está usando.

Depois disso, a Riot mostrou vários trechos da animação. Diferentemente das animações vistas dentro do jogo, as que mostram a criação interna dos movimentos não costumam ser vistas. Mas a Riot abriu um pouco do processo, incluindo alguns vídeos que mostram as juntas dentro dos campeões e possibilitam que os animadores trabalhem com esses personagens.

A porta que a Riot abriu para seu processo de animação é uma parte do Art Blast de fim de ano do Artstation. O objetivo da desenvolvedora é mostrar aos fãs do LoL os passos de criação de campeões, mostrando um novo passo a cada dia. Os dois primeiros dias foram, respectivamente, a arte conceitual e a arte do campeão. O próximo passo da Riot é continuar mostrando os bastidores dos efeitos visuais, e depois disso, na sexta-feira, dia 20, uma revelação da pré-temporada.

Artigo publicado originalmente em inglês por Elena Endres no Dot Esports no dia 18 de dezembro.