As melhores músicas do novo álbum da Riot Games, Sessions: Vi

Aqui estão os destaques do álbum instrumental de 37 músicas da Riot.

Imagem via Riot Games

Sessions: Vi, o último álbum da Riot Games Music, é um disco totalmente instrumental composto inteiramente de batidas “chillhop” do início ao fim.

O álbum, que dura uma hora e 40 minutos, é um projeto colaborativo entre a Riot e 21 artistas diferentes de toda a indústria da música instrumental. Cada faixa traz um som exclusivamente diferente para o álbum, com o projeto sendo dividido em três “sessões” principais: manhã, tarde e noite. À medida que o álbum avança em seu tempo de execução bastante longo, os ouvintes podem esperar para ver o clima das várias faixas em cada mudança de seção.

E claro, 37 músicas podem exigir um pouco de dedicação, então se você tivesse que dividir o álbum por seus pontos altos, você certamente poderia usar essa abordagem também. Definitivamente, existem algumas faixas que valem a pena de se destacar. Aqui estão algumas das melhores faixas do novo álbum da Riot Games Music, Sessions: Vi

Chromonicci – Passengers

A faixa de abertura de Sessions: Vi saúda o ouvinte com o som da chuva caindo na calçada quando a porta do metrô se abre. Uma vez instalada, o baixo suave eleva-se sobre os sons de vozes que se misturam em uma paisagem urbana. A trompa se mistura a uma guitarra corajosa permitindo que Passengers prepare o cenário para todo o Sessions, deixando o ouvinte pronto para a experiência à frente. No momento em que o segmento final da faixa acontece, a trompa suave introduzida no início da música acompanha o groovy do baixo por todo o caminho até a linha de chegada, fazendo uma abertura relativamente forte para o projeto.

Kupla – Home is Where My Heart is

“Home is Where My Heart is” se destaca como a segunda música mais curta em Sessions: Vi, sendo apenas um segundo a mais do que “Midnight Coffee”, mas mesmo com um tempo de execução tão rápido, a faixa ainda encontra uma maneira de fazer uma duradoura impressão. A música inclui elementos de uma suave batida de ukulele que dura por toda a extensão e que eventualmente é acompanhada por instrumentos de sopro. Além disso, a música é sobreposta aos sons de crianças conversando, brincando e rindo ao fundo, dando a esta faixa um toque extremamente reconfortante e “caseiro”.

Tennyson – In Circles

Um álbum como Sessions: Vi não precisa de um lançamento tradicional como os outros álbuns precisariam, mas se houvesse um “single principal” no mais novo projeto da Riot, In Circles seria definitivamente um candidato. A mesma melodia do começo ao fim, o que já é o suficiente para ser considerada chiclete, vagueia pelo fundo ao longo de toda a faixa de três minutos. Mas nos 30 segundos finais da música, os elementos da melodia combinam-se graciosamente com os sons ambientes de água corrente e um tom de assovio complementar, permitindo que “In Circles” se junte como um quebra-cabeça perfeitamente montado.

Imagem via Riot Games

Xander. – Growing Flowers

“Growing Flowers” ​​é uma das canções mais animadas em Sessions: Vi. Ela apresenta uma batida de bateria confortável, mas que ainda traz uma alegria, pacientemente encadeando um dos compassos mais otimistas do álbum. A metade posterior da faixa apresenta um estilo de melodia de vai e vem, que quase soa como um jogo de pingue-pongue sendo jogado com cordas de guitarra no lugar da mesa. Esse tipo de som leva o ouvinte a uma conclusão quase “saltitante” da música.

Swing

“Swing” é uma música quase repetitiva à primeira vista, mas uma vez que os elementos da instrumentação começam a se juntar por volta de 50 segundos na faixa, ela realmente decola. Tente ouvir esta enquanto visualiza um pêndulo literalmente “balançando” de um ponto a outro enquanto as três notas de piano contínuas tocam em primeiro plano. A cada nova pausa na melodia, você pode sentir essa faixa balançar fisicamente de som para som. 

Chronomicci – Weekends

O som da chuva caindo é um tema proeminente ao longo de Sessions: Vi e em nenhum lugar ele é mais proeminente do que “Weekends”. Esse som tranquilo da chuva é acompanhado por vários instrumentos diferentes ao longo da música, como uma combinação de trompas, guitarras, instrumentos de sopro e sons naturais compõem uma das canções mais concorridas do álbum. Na metade da faixa, o som da chuva fica mais alto do que nunca, agindo como uma marca de transição entre as duas metades da música. As trompas e o baixo então retornam para um riff final para encerrar a música, marcando o que poderia muito bem ser o ponto alto do álbum. 

Miscél – Who are you

Talvez uma das músicas mais abstratas de Sessions: Vi, “Who are you” começa com uma introdução de 25 segundos que soa muito como passos andando nas ruas da cidade. Uma vez que a faixa entra no âmago da questão, no entanto, ela faz um loop em uma melodia tranquila em camadas atrás de uma faixa vocal distorcida. Embora possa não ter o mesmo “fator de repetição” que outras faixas do álbum têm, “Who are you” é uma faixa conceitual intrigante que se destaca quando comparada ao resto do conteúdo do álbum.

Artigo publicado originalmente em inglês por Michael Kelly no Dot Esports no dia 06 de julho.