Nintendo condena atos de assédio na comunidade de Super Smash Bros.

A empresa está do lado das vítimas.

Imagem via Nintendo

A Nintendo divulgou hoje um comunicado em resposta a todas as recentes alegações de agressão sexual, assédio e outras ações na comunidade de Super Smash Bros., condenando esses atos em apoio às vítimas.

“Na Nintendo, estamos profundamente perturbados com as alegações feitas contra certos membros da comunidade competitiva de jogos”, disse a Nintendo à IGN. “Eles são absolutamente inadmissíveis. Queremos deixar claro que condenamos todos os atos de violência, assédio contra alguém e que estamos ao lado das vítimas.”

 Nos últimos dois dias, dezenas de jogadores, comentaristas e outras pessoas da comunidade de Smash apresentaram acusações de serem agredidas, perseguidas e manipuladas por outras pessoas no mesmo espaço. E em muitos desses casos, os agressores expostos são pessoas que detinham muito poder na comunidade de Smash.

Troy “Puppeh” Wells abriu as comportas para que outras pessoas falassem em 1º de julho com sua história sobre a comentarista e streamer Cinnamon “Cinnpie” Dunson. Wells alegou que Dunson “iniciou conversas sexuais” e mais tarde entrou em um relacionamento sexual com ele quando tinha 14 anos e ela 24. 

Um dos próximos dominós a cair foi Nairoby “Nairo” Quezada, um dos cinco principais jogadores do Ultimate no mundo, sendo acusado de ter um relacionamento sexual com o ex-profissional de 15 anos de idade, Zack “CaptainZack” Lauth. Imediatamente após as acusações serem divulgadas, Quezada excluiu a maioria de suas contas de mídia social e foi mais tarde demitido pela NRG. 

Da mesma forma, T1 encerrou relações com Jason “ANTi” Bates após alegações de que ele mantinha relações sexuais com um menor em 2016. Desde então, Bates removeu todas as suas respostas às acusações iniciais e consultará um advogado antes de fazer outras declarações.

O comentarista D’Ron “D1” Maingrette também foi mencionado nas alegações contra Bates. Outras reivindicações de outras pessoas, no entanto, envolvem ele supostamente estuprando uma mulher no Smash the Record 2016 e mais assédio sexual que remonta a 2014. 

Mais histórias de abuso estão sendo compartilhadas todos os dias. A decisão da Nintendo de assumir uma posição forte contra aqueles que assediam e manipulam outras pessoas pode encorajar mais pessoas a falar.

Artigo publicado originalmente em inglês por Cale Michael no Dot Esports no dia 03 de julho.