15 DE junho DE 2018 - 18:43

ChrisJ: "Acredito que, em nível de habilidade, não posso dizer que estou no ápice"

Duas estrelas da mousesports discutiram seu momento no Brasil até agora e o que esperam do resto do evento.
Dot Esports Brasil: Writer and Translator | Redator e Tradutor
preview
Foto via ESL

A mousesports está jogando extremamente bem na ESL One Belo Horizonte, mas ainda assim eles não se veem na disputa direta pelo título de campeões do evento.

Com a antiga estrela da Cloud9 Jordan "n0thing" Gilbert jogando como substituto de Tomas "oskar" Stastny, a mousesportes fez 2-0 no Grupo B e derrotou a Não Tem Como e a Team Liquid em melhores de três. Eles jogaram contra a SK Gaming nas semifinais, que acabou de vencer sua partida decisiva contra a Space Soldiers.

O Dot Esports conversou com Robin "ropz" Kool e Chris "ChrisJ" de Jong após seu bom desempenho na fase de grupos da ESL One Belo Horizonte para ouvi-los sobre essa etapa vitoriosa no torneio, com uma reflexão que ChrisJ fez sobre sua longa carreira na mousesports.

Ropz, você foi um dos jogadores de melhor desempenho na partida contra a Liquid ontem. Como você se sentiu nessa partida?

Ropz: Tivemos um bom começo de jogo. Vencemos a rodada de pistolas. E individualmente, consegui algumas boas eliminações nas rodadas econômicas que me deixaram feliz. Durante a partida, só jogamos muito bem como equipe. Nossa comunicação foi boa e eu me senti decisivo. Assim, eu tive bastante sorte algumas vezes, mas em geral é isso.

Como está o clima geral da equipe com n0thing em vez de oskar até agora? A dinâmica da equipe mudou com alguma possível dificuldade de transição dele?

Ropz: Eu diria que é bastante positivo. N0thing é um cara bem legal. Ele deixa a energia bem positiva para nós. Nossa comunicação está muito melhor do que geralmente é, e nos sentimos muito bem nas partidas. Ele tem uma longa história [no Counter-Strike], então ele sabe bem o que fazer em qualquer momento. Não temos problemas em jogar com ele. Ele só sabe preencher as lacunas que nós temos. Ele é um jogador completo, e é isso que o torna um bom substituto.

ChrisJ: Para começar, é claro que as funções mudaram. Não havia nenhum jogador de AWP disponível. Não existe quase nenhum AWP no nível do oskar. Desde o início, sabíamos que precisaríamos de um tipo diferente de jogador. Acredito que com Jordan, ele não só é uma pessoa boa de se ter por perto, mas também podemos nos divertir com ele antes, durante e depois da partida. Além disso, ele é experiente. Jogou muito tempo na Cloud9 no topo do cenário norte-americano e até no topo de todo o cenário de CS:GO. Ele sabe o que precisa fazer em uma equipe para ajudá-la para valer. Ele não pensa "Não ligo pra esse torneio e vou só fazer qualquer coisa." Ele nos ouve mesmo [e diz] "O que vocês precisam que eu faça? Que granadas querem que eu jogue?"

Então ajudou bastante nesse caso, e ele preencheu mesmo as lacunas que precisamos agora. Parece que todos [na equipe] estão jogando com menos pressão agora que temos um substituto. Por um lado, temos uma mentalidade um pouco diferente [com] Jordan na equipe. Por outro lado, por estarmos jogando com um substituto, todos estão jogando mais soltos, tipo "tudo bem, só faça o que você quiser e faça o que te deixará bem porque não treinamos. Precisamos fazer alguma coisa para vencer as rodadas." Acredito que essa combinação nos ajudou muito, ainda mais na fase de grupos. Todos estavam jogando livres, e as coisas estavam se encaixando muito no jogo e todos acertavam seus tiros.

Quais são suas expectativas para o resto do evento e o que vocês planejam fazer até o próximo Major?

Ropz: Acredito que nosso objetivo principal era chegar na arena. Digo, não tínhamos expectativas já que estamos com um substituto. Para falar a verdade, nossas expectativas eram só aproveitar a arena e os fãs. É claro, chegamos até aqui e estamos muito felizes de estar aqui. Se pudermos de alguma forma vencer (o campeonato inteiro), seria incrível, mas as estrelas precisam se alinhar para isso.

ChrisJ, você é o jogador que está há mais tempo na mousesports [desde 2013], como você se sente vendo a mouz se tornar um dos melhores times do mundo ao longo dos anos?

ChrisJ: Acho incrível, claro. Nos esforçamos por muito tempo na mouz, e [não fazia] muita diferença. De vez em quando éramos muito bons e de vez em quando ficávamos entre os quatro melhores quando tínhamos NiKo ou coisas assim, mas [nós] nunca fomos tão consistentes quanto somos hoje. É muito legal. É estranho dizer que trabalhar duro levou a esse sucesso, porque obviamente mudamos o elenco. Só conseguimos uma equipe melhor, mas a equipe também está trabalhando ainda mais pesado. Sinto que fiz mais coisas para ter impacto no jogo, então é legal ver isso dando resultado.

Como você acha que ChrisJ muda o clima da equipe e que diferença ele faz durante as partidas?

Ropz: Sim, ele tem uma longa história na Mousesports. Ele assumiu a função de capitão da equipe quando eu entrei no time. Ele está avançando bastante. Ele é um bom capitão hoje. Mesmo assim temos comentários de todos, todos sugerem jogadas de vez em quando. Tudo se resume a trabalho em equipe no fim. Mas ChrisJ tem ficado muito melhor. [O técnico da Mouz] Lmbt também tem o ajudado.

Qual é a melhor parte de se estar nessa equipe, em especial durante treinamentos e torneios?

Ropz: Nós temos piadas internas muito boas. Essa é a parte engraçada. Acho que, em jogo, nos entendemos muito bem individualmente. Sabemos o que queremos fazer. Se alguém quiser fazer uma jogada, sabemos como reagir, e isso é o que faz qualquer equipe boa.

Considerando todas as mudanças de equipe e gerenciamento que a mousesports teve ao longo dos anos, quão grande você acha que foi seu impacto no crescimento da equipe?

ChrisJ: Em especial hoje, não tenho estado tão envolvido com o que o elenco é. Os gerentes de equipe que estão. Eles estão em uma posição melhor para decidir quem devemos trazer. Mas sinto que eu cresci como jogador e pessoa, aprendendo a descobrir o que meus colegas de equipe precisam mais de mim. Não é que sempre jogo pensando em mim, mas não pensava tanto em como poderia ajudar mais meus colegas. Ainda mais agora que temos bons jogadores na equipe. Se só deixarmos esses jogadores confortáveis, eles terão desempenhos muito melhores. Eu diria que essa foi a maior mudança ao longo dos anos.

ChrisJ, você tem 28 anos hoje. Você sente que está no ápice do seu desempenho no [Counter-Strike] hoje?

ChrisJ: Acredito que, em nível de habilidade, não posso dizer que estou em meu ápice. Sinto que alguns anos atrás eu me movimentava melhor, atirava mais rápido e mirava melhor. Mas hoje... sou só o tipo de jogador que pega a AWP e mata o pessoal, tipo um estilo de jogo bastante agressivo. Mas ainda assim, estou tentando pensar mais e colocar mais minha experiência no jogo, tipo "Ok, passamos por isso antes, faça essa jogada melhor, jogue isso de forma diferente, fique mais calmo, continue fazendo seu jogo mesmo se estiver errado, mesmo que tenhamos perdido ainda podemos ganhar." Ainda fico tiltado de vez em quando, mas antes eu desistia um pouco cedo demais em partidas que quase perdemos, e eu ficava tão bravo que não conseguia mais pensar. Mas sinto que isso está mais sob controle hoje. É algo que só vem com a idade.

Quando você acha que deixará de ser um jogador ativo na Mouz? Você vê isso como uma realidade próxima?

ChrisJ: Acredito que isso ainda está muito longe da minha realidade. Sinto que ainda tenho impacto suficiente em jogo para jogar em alto nível. Não sei, em especial agora que há outros jogadores mais velhos, nos 30, e ainda estão jogando. Sinto que poderia com facilidade jogar por mais alguns anos. Eu também nunca fui aquele tipo de pessoa que faz muitos planos no longo prazo na vida. Só vivo, e agora só estou jogando CS. Vou seguir o quanto aguentar, e depois decidir o que farei.

Quanto tempo você ainda jogaria [Counter-Strike] se pudesse escolher?

ChrisJ: Hoje eu não sei. Talvez no mínimo dois ou três anos a mais, e depois eu vejo o que faço.

Jamie Villanueva contribui nesta matéria.

Próximo Artigo