A Névoa Negra e uma família desfeita: O desenvolvimento da história do LoL em 2021

Da Ruína às ruas de Zaun, este ano foi repleto de expansão para uma história de longa data.

Imagem via Riot Games

A história em expansão de League of Legends continua crescendo a cada ano, com novos campeões e eventos trazendo luz às áreas de Runeterra que os fãs passaram a conhecer ao longo dos últimos 11 anos. No ano passado não foi diferente. A Riot Games adotou uma abordagem mais direta para terminar histórias que foram deixadas em aberto por um tempo, com várias desvantagens e problemas de cânone que, embora progredissem na história mundial, também tornavam confuso saber exatamente em que os fãs podiam confiar.

Este ano, em vez de introduzir novos aspectos da história ao implementar novos recursos no jogo, a Riot se concentrou em aumentar um aspecto da história do LoL ao longo de todo o ano: a Ruína. Este evento, há muito estabelecido nas histórias de muitos campeões do jogo, nunca tinha sido totalmente explorado até este ano, conectando novos e antigos campeões de todo o universo do LoL.

Fora da Ruína, a exploração da Riot em outros tipos de mídia permitiu que a história progredisse de maneiras nunca antes vistas na comunidade do LoL. Entre sua primeira série animada da Netflix, Arcane, e o título autônomo spin-off Ruined King: A League of Legends Story, a Riot encontrou novas maneiras de expandir o alcance do LoL fora do jogo base e dar as boas-vindas aos fãs para apenas algumas das muitas histórias que o jogo estabeleceu ao longo da última década.

Uma coroa que não condiz com um rei

O primeiro campeão da Riot lançado este ano foi ninguém menos que o próprio Rei Destruído, Viego. Por anos, o rei sem nome existiu apenas na história dos campeões da região das Ilhas das Sombras de Runeterra, como Thresh e Hecarim, mas nunca realmente apareceu no jogo. Com o vídeo “A Ruína” lançado em janeiro, a Riot deixou claro que o retorno de Viego era iminente e que todos os jogadores do LoL sentiriam sua ira durante todo o ano. A Ruína afetou os campeões lançados ao longo do ano, bem como o principal evento de história do ano, Sentinelas da Luz, que se baseou na estrutura narrativa presente em Florescer Espiritual do ano passado.

Os jogadores se aventuraram por cada região de Runeterra no evento Sentinelas da Luz, ajudando Lucian, Senna e Gwen a recrutar campeões de todo o mundo para lutar contra o vingativo Viego, em busca dos fragmentos de alma de sua esposa, Isolde, na tentativa de ressuscitá-la. Campeões como Vayne, Graves e até Pyke se juntaram aos Sentinelas em novos trajes personalizados por Gwen, permitindo aos jogadores ver esses campeões interagirem uns com os outros de uma forma que nunca antes fizeram. Conforme os jogadores navegavam por cada região, com a progressão sendo desenvolvida semanalmente, eles tinham acesso a escolhas narrativas semelhantes ao evento Florescer Espiritual que não afetava nenhum resultado, mas permitia aos jogadores personalizar as interações com os campeões apresentados.

A batalha final entre os Sentinelas, ao lado de seu novo parceiro, Akshan, e as forças de Viego buscaram encerrar a história da Ruína, acabando com a sede de vingança de Viego e salvando os muitos campeões que ele havia corrompido. Após desferir o golpe final em Viego, Thresh saiu das sombras e colheu os benefícios da morte de Viego, agora livre para retornar à sua forma humana e escapar das Ilhas das Sombras, aparentemente buscando vingança de Senna por se libertar de sua lanterna.

Embora a narrativa do evento fornecesse informações sobre a Ruína que os fãs esperavam por anos, a Riot logo revelou depois disso que nada do que aconteceu durante sua duração foi canônico, deixando os fãs se perguntando por que exatamente o evento aconteceu para começar. Enquanto os Sentinelas derrotaram Viego canonicamente e o impediram de espalhar a Ruína por Runeterra, a narrativa retratada no evento Sentinelas da Luz não representa como o confronto realmente ocorreu. 

Entre a confusão sobre o lugar do evento no cânone estabelecido do LoL e a indignação com o estilo de escrita e ritmo que a Riot escolheu para este evento, o evento Sentinelas da Luz se estabeleceu como uma das tomadas mais controversas na história do LoL em anos. No entanto, a história do Rei Destruído não se limitou a este evento, uma vez que outro título analisa a ruína de uma perspectiva totalmente diferente.

Um olhar diferente sobre o reinado do rei

A Riot lançou Ruined King: A League of Legends Story em novembro em várias plataformas, proporcionando uma visão diferente da luta contra Viego e da ruína que se aproximava do que os jogadores experimentaram durante o evento Sentinelas da Luz. A história deste jogo atua como uma continuação direta do evento Florescer Espiritual do ano passado, onde Yasuo e Ahri viajam para Águas de Sentina para buscar respostas para seus próprios destinos, bem como eventualmente confrontar a ruína que se aproxima.

Em vez da equipe de Sentinelas lutando contra Viego, Yasuo e Ahri se juntaram à equipe de Illaoi, Braum, Miss Fortune e Pyke, com Miss Fortune assumindo o comando para impedir que sua casa fosse tomada pela vingança de Viego. Ao longo do caminho, a equipe encontra vários campeões conectados à história da Ruína, como Maokai, que não apareceu no evento Sentinelas da Luz, ao mesmo tempo que conecta a história de parar a Névoa Negra com o objetivo de Miss Fortune de matar Gangplank.

O que Ruined King realmente capitaliza, entretanto, é a importância desses campeões específicos no crescimento da história estabelecida do LoL. Cada um dos membros do grupo constantemente se refere às suas próprias vidas e interações com o mundo ao seu redor, dando mais informações sobre como eles e os campeões com os quais se relacionam atravessam Runeterra. Conforme o grupo se aventura por Águas de Sentina, eles encontram vários diários que agem como pequenos pedaços de outros aspectos da história do LoL que transcendem a Ruína, conectando o jogo às histórias maiores que estiveram presentes em Runeterra na última década. 

Os eventos deste título foram confirmados para todos como canônicos, o que significa que esta luta contra Viego realmente ocorreu e esses campeões se uniram na tentativa de impedir os avanços do Rei Destruído. Embora o evento Sentinelas da Luz do LoL deixe claro que foram os Sentinelas que acabaram por parar Viego, cada segmento de Ruined King, da história principal ao conteúdo secundário, fornece um pedaço de história canônica que conecta eventos focais e personagens de Runeterra juntos, de uma forma que os jogadores só viram quando lutaram uns contra os outros no Rift.

Voltando no tempo

Enquanto 2021 se concentrava principalmente no crescimento da história da Ruína e dos personagens ligados a ela, a primeira série animada da Riot na Netflix, Arcane, ofereceu um olhar profundo sobre as vidas dos campeões ligados a Piltover e Zaun que tinham amplo espaço para suas histórias se expandirem. Através de três atos de três episódios cada, a primeira temporada de Arcane colocou os espectadores no meio da irmandade de Vi e Jinx, bem como as posicionou como vítimas da crescente turbulência entre as duas cidades.

Vi e Jinx, que há muito eram conhecidas como irmãs cujo relacionamento havia sido prejudicado por seu crescimento, quase não tinham qualquer aspecto de suas histórias contado além de contos e a atualização ocasional de biografias de outros campeões relacionados a elas. No entanto, através de Arcane, os fãs tiveram uma visão detalhada de seu crescimento e desenvolvimento, observando exatamente como seu relacionamento começou a se deteriorar e o quanto as culturas de Piltover e Zaun levaram a esse resultado.

Arcane também forneceu informações sobre campeões como Caitlyn, Jayce, Heimerdinger, Ekko e Viktor. Embora esses campeões fossem conhecidos por estarem envolvidos na situação entre Piltover e Zaun, como Vi e Jinx, eles nunca expandiram a história que explicasse como eles progrediram em suas vidas. Embora a luta entre Vi e Jinx se destaque como o principal ponto da trama de Arcane, o show aproveita a oportunidade para expandir as histórias de cada personagem secundário, amarrando-os na trama principal que garante que nenhum personagem se sinta mais importante que o outro.

Para onde vamos a seguir?

Embora a Riot não tenha revelado nenhum plano para a expansão da história do LoL em 2022, deixou claro que várias equipes estão cientes do feedback sobre o evento Sentinelas da Luz, incluindo a escrita da narrativa e a questão do cânone, e estão procurando soluções para o futuro dos eventos narrativos. Em um recente post de desenvolvedor, a Riot revelou que a consistência será a chave para os eventos futuros da história do LoL, renunciando às múltiplas interpretações da Ruína e do reinado de Viego nos eventos deste ano em favor de algo mais simplificado como Florescer Espiritual.

Apesar dos problemas gritantes com o desenvolvimento do evento da história deste ano, a Riot garantiu aos jogadores que os eventos narrativos continuarão no futuro e que as equipes estarão olhando mais de perto para o que funcionou e o que não funcionou nos eventos anteriores para impulsionar os futuros. Embora a evolução da história do LoL em 2021 tenha flutuado em seu impacto, cada aspecto desse crescimento provou que a Riot está mais do que disposta a expandir contos que foram incorporados nas histórias de campeões novos e familiares, permitindo que seu impacto cresça ainda mais do que simplesmente ser campeões jogáveis ​​no Rift.


Certifique-se de nos seguir no  YouTube  para mais notícias e análises sobre esportes.

Artigo publicado originalmente em inglês por Ethan Garcia no Dot Esports no dia 29 de dezembro.