Presidente da Blizzard, J. Allen Brack, deixará a empresa

Jen Oneal e Mike Ybarra assumem como "colíderes da Blizzard".

Foto via Blizzard Entertainment

A Blizzard anunciou hoje que J. Allen Brack não será mais o presidente da empresa.

Jen Oneal e Mike Ybarra assumirão o cargo, como “colíderes da Blizzard”, segundo um comunicado.

Oneal era a líder do Vicarious Visions, estúdio da Activision que foi responsável por remasterizar jogos das séries Crash Bandicoot e Tony Hawk’s Pro Skater nos últimos anos. A Activision Blizzard transformou o Vicarious Visions em parte da Blizzard no começo deste ano, com Oneal como vice-presidente executiva na época. E Ybarra, antes um executivo da Xbox, entrou para a Blizzard no final de 2019.

“Jen e Mike somam mais de três décadas de experiência na indústria dos jogos”, diz o comunicado que a Blizzard divulgou hoje à imprensa. “No futuro, eles vão dividir as responsabilidades de desenvolvimento de jogos e operações da empresa.”

A saída de Brack foi anunciada poucos dias depois do processo movido contra a Blizzard, em 21 de julho, que alega que a empresa teria uma cultura tóxica onde as mulheres estão sujeitas a assédio sexual. Desde então, muitas mulheres que trabalham ou trabalharam na empresa se pronunciaram, contando suas histórias de abuso sexual e misoginia, incluindo algumas que conversaram com os investigadores responsáveis pelo processo.

A Activision Blizzard negou as acusações do Estado da Califórnia, dizendo que eram “descrições distorcidas, e muitas vezes falsas, do passado da Blizzard”, em um comunicado feito à imprensa em 22 de julho.

“Essa imagem passada pelo processo não representa o ambiente de trabalho de hoje na Blizzard”, explicou um porta-voz da Activision Blizzard. “Ao longo dos últimos anos, desde o início das investigações, fizemos mudanças significativas à cultura da empresa, para refletir mais diversidade nas nossas equipes de liderança.”

Em 26 de julho, foi relatado que 1.000 funcionários e ex-funcionários da Blizzard assinaram uma carta conjunta denunciando a empresa.

“Para explicar de forma clara e compreensível, nossos valores como funcionários não estão refletidos nas palavras e ações dos nossos líderes”, diz a carta.

O CEO da Activision Blizzard, Bobby Kotick, disse em um email enviado a toda a empresa em 27 de julho que a resposta da empresa ao processo não foi “de bom tom”. O aviso também foi encaminhado para os investidores da empresa e o público. Ele pediu desculpas por não fornecer “a empatia e compreensão necessárias”.

Em 28 de julho, funcionários da Blizzard entraram em greve, protestando na frente do escritório da Blizzard em Irvine, na Califórnia, por várias horas.

No meio de todo o escândalo atual, Brack foi exposto como um dos homens em uma entrevista de World of Warcraft na BlizzCon 2010 — cujo vídeo ressurgiu nas redes sociais na semana passada —, onde uma mulher da plateia pergunta até quando vai parecer que as personagens femininas do MMO “saíram direto do catálogo da Victoria’s Secret”.

Alex Afrasiabi, na época desenvolvedor de World of Warcraft, que também foi acusado de abuso sexual por várias mulheres na semana passada, respondeu fazendo pouco caso da mulher. Depois, Brack perguntou a ele “de qual catálogo” teria saído a “Tauren mulher”, se referindo à raça do jogo que é inspirada nos bovinos.

“Nenhum dos que você lê”, respondeu Afrasiabi. “Uau, vacas sexy”, disse Brack, rindo.

Brack, funcionário de longa data da Blizzard e depois líder do departamento de World of Warcraft, se tornou o maior executivo da Blizzard no fim de 2018, quando o cofundador Mike Morhaime deixou o cargo de CEO. Morhaime saiu da empresa completamente em abril de 2019. Na época, Brack, que foi chamado de presidente e não CEO, foi considerado o primeiro da reestruturação do estúdio a estar mais alinhado com a Activision Blizzard, empresa-mãe liderada por Kotick.

Artigo publicado originalmente em inglês por Jerome Heath no Dot Esports no dia 03 de agosto.