Os 5 melhores times de CS:GO do mundo em 2018

Um titã permaneceu triunfante ao longo do ano.

Foto via Valve

Foi um ano incrível para o mundo de Counter-Strike: Global Offensive, e agora as equipes estão focando sua energia em 2019.

Este ano foi muito diferente em relação a 2017. A SK Gaming, hoje MIBR, não foi uma grande ameaça, times de estrelas como FaZe e G2 Esports não foram tão dominantes quanto antes e um gigante surgiu como uma fênix dos destroços, a Astralis. As estrelas da Dinamarca dominaram o cenário profissional durante a maior parte do ano, acumulando 10 campeonatos em cerca de oito meses e superando as potências da Europa e da América do Norte.

Veja também: Como jogam os melhores jogadores brasileiros de Counter-Strike: Global Offensive.

A Astralis teve tantas conquistas neste ano que os jogadores começaram a perder a conta, e o principal enredo do ano foi saber se um time poderia lidar com a força dinamarquesa. Confira os melhores times de CS:GO de 2018, classificados de cinco para um com base em suas conquistas e colocações notáveis ao longo do ano.

5) Mousesports

Foto via StarLadder

Chris “chrisJ” de Jong, Tomas “oskar” Stastny, Robin “ropz” Kool, Miikka “suNny” Kemppi, Martin “STYKO” Styk, Janusz “Snax” Pogorzelski, and treinador Sergey “lmbt” Bezhanov

  • Primeiro: ESL One New York, StarLadder Season Four
  • Segundo: ESL One Belo Horizonte
  • Entre os quatro primeiros: IEM Sydney, StarSeries Season Five, ELEAGUE CS:GO Premier, DreamHack Masters Stockholm, EPL Season Eight

Houve momentos em que a Mouz mostrou uma atuação incrível, mas eles foram atormentados por inconsistências individuais e quedas ocasionais de desempenho. Eles trocaram STYKO por Snax na esperança de que o polonês consertasse o problema de poder de fogo de equipe, mas não deu certo. Eles acabaram trazendo de volta a STYKO na segunda metade do ano.

4) FaZe Clan

Foto via EPICENTER

Finn “karrigan” Andersen, Nikola “NiKo” Kovac, Ladislav “GuardiaN” Kovacs, Havard “rain” Nygaard, Olof “olofmeister” Kjabjer, Jorgen “cromen” Robertsen, Richard “xizt” Landstrom, e treinador Robert “Robban” Dahlstrom

  • Primeiro: IEM Sydney, ESL One Belo Horizonte, EPICENTER
  • Segundo: ELEAGUE Boston Major, IEM Katowice,
  • Entre os quatro primeiros: EPL Season Seven, ECS Season Seven, ESL One Cologne, IEM Chicago

A FaZe permaneceu no topo durante a maior parte do ano, mas eles não tiveram gás o suficiente para ficar no topo o tempo todo, especialmente por causa de seus problemas de substitutos relacionados a olofmeister. Eles conquistaram um título antes do início da era Astralis e em torneios que o time dinamarquês não participou.

3) Team Liquid

Foto via Beyond The Summit

Nick “nitr0” Cannella, Jonathan “EliGE” Jablonowski, Russel “Twistzz” Van Dulken, Keith “NAF” Markovic, Epitacio “TACO” de Melo, Lucas “steel” Lopes, e treinador Wilton “zews” Prado.

  • Primeiro: cs_summit 2
  • Segundo: EPL Season Seven, ECS Season Five, ELEAGUE CS:GO Premier, ESL One New York, IEM Chicago, EPL Season Eight
  • Entre os quatro primeiros: StarLadder Season Four, IEM Katowice, ESL One Belo Horizonte, EPICENTER

A narrativa de 2018 da Liquid poderia ser resumida em uma frase: bola na trave não altera o placar. Os norte-americanos chegaram bem longe em muitos torneios ao longo do ano com os jogadores em seu mais alto nível, mas a Astralis roubou todos os cinco títulos de suas mãos, dando a eles uma sensação amarga e indiferente após quase todas as competições, apesar de serem o melhor time do outro lado do Atlântico.

2) Natus Vincere

Foto via StarLadder

Danylo “Zeus” Teslenko, Oleksandr “s1mple” Kostyliev, Denis “electronic” Sharipov, Egor “flamie” Vasilyev, Ioann “Edward” Sukhariev, e treinador Mykhailo “kane” Blagin

  • Primeiro: StarSeries Season Five, CS:GO Asia Championship, ESL One Cologne, BLAST Pro Series Copenhagen
  • Segundo: StarLadder Season Four, DreamHack Masters Marseille, FACEIT London Major, EPICENTER, BLAST Pro Series Lisbon
  • Entre os quatro primeiros: ELEAGUE Boston Major, EPL Season Seven, ELEAGUE CS:GO Premier

A Na’Vi roubou o show sempre que a Astralis foi eliminada cedo ou não esteve em um evento. Com s1mple e electronic liderando o bando como uma dupla icônica e forte, o estilo de jogo imprevisível e o forte poder de fogo da Na’Vi colocou a equipe em níveis semelhantes de poder de fogo ao da Astralis. Poucas eliminações e excesso de cansaço com eventos foram as grandes fraquezas para esta potência da Comunidade dos Estados Independentes, e isso ficava claro quando as zebras os venciam ou eles eram eliminados rápido dos torneios.

1) Astralis

Foto via ELEAGUE

Lukas “gla1ve” Rossander, Nicolai “dev1ce” Reedtz, Andreas “Xyp9x” Hojsleth, Peter “dupreeh” Rothmann, Emil “Magisk” Reif, e treinador Danny “zonic” Sorensen

  • Primeiro: DreamHack Masters Marseille, EPL Season Seven, ECS Season Five, ELEAGUE CS:GO Premier, FACEIT London Major, BLAST Pro Series Istanbul, IEM Chicago, ECS Season Six, EPL Season Eight, BLAST Pro Series Lisbon
  • Segundo: IEM Sydney, DreamHack Masters Stockholm,
  • Entre os quatro primeiros: IEM Katowice, ESL One Cologne.

A Astralis foi, sem dúvida, o time mais dominante e mais consistente nos maiores escalões do competitivo. Os dinamarqueses exibiram um tipo de Counter-Strike quase perfeito que parecia imbatível, capitalizando bastante nos erros de seus oponentes e mexendo na cabeça dos adversários antes mesmo das partidas começarem. Cada virada da Astralis e vitória em grande final foi memorável de se ver, já que eles se consolidaram como possivelmente o maior time de todos os tempos.

O comentário do momento de levantar o troféu da Astralis na EPL Season Eight Finals resume a dominância dos dinamarqueses ao longo do ano. A maior pergunta a ser feita em 2019 é se a Astralis será tirada do trono pela Team Liquid ou pela Natus Vincere ou se eles de alguma forma sairão por conta própria jogando de forma negativamente irreconhecível, como a SK Gaming de 2018.