As 5 melhores expansões de World of Warcraft

Cada uma das expansões de WoW tem seu próprio charme, mas essas são as melhores.

Imagem via Blizzard Entertainment

World of Warcraft evoluiu muito ao longo de seus 17 anos de história. Nesses anos, houve nove versões diferentes do jogo, incluindo seu lançamento original, com novas expansões lançadas em média a cada dois anos. Com o lançamento de cada expansão, foram adicionadas ao jogo novas regiões, missões e ameaças apocalípticas, mudando permanentemente o cenário do WoW.

E, embora algumas dessas expansões tenham garantido seu lugar entre os melhores momentos da história do WoW, outras ficaram para escanteio. Confira as cinco melhores versões de World of Warcraft.

5) Battle for Azeroth

Imagem via Blizzard Entertainment

Embora Battle for Azeroth tenha sido ridicularizada pela falta de conteúdo intermediário, a expansão trouxe muito conteúdo no início e no final de seus dois anos. O lançamento e a última atualização contaram com missões competitivas e instâncias complementares.

A fase intermediária de BfA pode ter sido mais parada, mas ele retomou o ritmo no final, com a atualização 8.3 expandindo o mundo aberto de WoW para incluir zonas mais antigas como Uldum e o Vale das Flores Eternas, além das experiências já encontradas em Kul Tiras e Zandalar. Além disso, a luta pelo infame título de “Campeão de Azeroth” em BfA foi uma das experiências mais difíceis e imersivas da história do jogo. Aqueles que quisessem se provar versados em todos os aspectos da jogabilidade do WoW — desde as Míticas+ e raides até o PvP de alto nível — tiveram a oportunidade no conteúdo de fim de jogo de Battle for Azeroth.

4) Classic 

Imagem via Blizzard Entertainment

A primeira edição de World of Warcraft serviu de base não só para o que o WoW se tornaria no futuro, mas também para todo o gênero dos MMOs. Embora a Blizzard tenha se superado com as expansões depois, o WoW original ainda se garante o suficiente para ganhar um relançamento e bater de frente com alguns MMOs mais modernos.

3) Wrath of the Lich King

Imagem via Blizzard Entertainment

Tudo o que a Blizzard aprendeu de design de missões e narrativa no WoW Clássico e em The Burning Crusade foi aprimorado em Wrath of the Lich King. A segunda expansão do jogo alimentou e cumpriu as expectativas dos fãs, passando The Burning Crusade nas vendas iniciais e inflando o número de assinaturas, que também chegou a um ápice nessa época.

Esses números podem estar relacionados à chegada da primeira nova classe do WoW, o Cavaleiro da Morte, e à reaparição de Arthas, personagem icônico da franquia Warcraft. Em Wrath of the Lich King, World of Warcraft chegou a seu ápice cultural e logo se tornou o principal jogo online.

2) Legion

Imagem via Blizzard Entertainment

Depois da experiência de Warlords of Draenor, que deixou um pouco a desejar, Legion trouxe a franquia WoW de volta com tudo, trazendo mecânicas significativas que se encaixavam com as classes. Desde os Salões da Ordem específicos de cada classe às icônicas Armas Artefato, direcionadas a especializações, que ficavam com os jogadores ao longo da expansão, Legion trouxe a fantasia de volta ao WoW.

Até hoje, a Blizzard tenta replicar Legion, com sistemas de poderes emprestados como o Coração de Azeroth e os Pactos nas expansões seguintes. Esses sistemas foram criados a partir do que foi feito em 2016. E, embora não haja uma expansão tão completa como Legion desde a própria, a fórmula do sucesso é algo que os desenvolvedores do WoW vêm tentando replicar desde então.

1) Mists of Pandaria

Imagem via Blizzard Entertainment

Simplesmente não existe nenhuma outra expansão do WoW tão boa quanto Mists of Pandaria. Com um design de mundo místico e conteúdo praticamente infinito ao fim do jogo, talvez MoP tenha sido a expansão mais abrangente e profunda da história do jogo. A Blizzard manteve um bom fluxo de conteúdo entre 2012 e 2013, com cinco grandes atualizações ao longo do ano, constantemente renovando a história de Mists of Pandaria. Além disso, as novas zonas, como a Ilha do Trovão e a Ilha Atemporal, permitem que a terra de Pandaria continue crescendo, mantendo os jogadores engajados ao longo da expansão.

Parte do que tornou Mists of Pandaria tão cativante para o jogador médio de WoW foi a possibilidade de mudar o foco da franquia, saindo de ameaças cósmicas como o Asa da Morte e o Lich Rei e voltando à essência do jogo: o conflito entre Aliança e Horda. Nenhuma expansão até hoje conseguiu mostrar a guerra entre as facções tão bem quanto MoP e as atualizações ao longo da expansão mantiveram a alta tensão na história do jogo.

Mists of Pandaria ajudou a transformar o “velho WoW” em “novo WoW”, dando início à era moderna do WoW a partir das qualidades que, desde o início, fizeram dele um jogo tão bom. O design das missões nas expansões anteriores do WoW foi aprimorado para que todas as zonas de Pandaria tivessem narrativas únicas, que se conectassem com a história central da expansão. No nível máximo do jogo, raides como Trono do Trovão e Cerco a Orgrimmar foram algumas das mais desafiadoras da história do WoW, enquanto o Modo Desafio das masmorras ajudou a criar o Místico+ como o conhecemos hoje.

Artigo publicado originalmente em inglês por Michael Kelly no Dot Esports no dia 30 de março.