O capítulo de Revenant em Pathfinder’s Quest não é sobre quem ele era, é sobre quem ele se tornou, de acordo com os escritores de Apex

Entrevistamos a equipe de redatores sobre um capítulo divisivo de Pathfinder's Quest.

Imagem via Respawn Entertainment

A maioria dos fãs de Apex Legends está familiarizada com Revenant, o assassino robótico sedento de sangue que abriu caminho para os Jogos Apex depois de matar Jimmy “Forge” McCormick e jurar vingança contra a Hammond Robotics.

Por outro lado, nem todo mundo ouviu falar de Kaleb Cross, a velha identidade de Revenant de antes que a Hammond Robotics o transformasse em um simulacro há mais de 300 anos.

Pathfinder’s Quest, o primeiro livro de história de Apex, mergulha nas histórias de origem das lendas, e Revenant não é exceção. O livro compartilha dois detalhes importantes sobre o passado de Revenant: seu nome e como ele morreu. E essas são basicamente as partes mais importantes de sua primeira vida, porque, no final, seu capítulo não é sobre Kaleb Cross.

“A história de Revenant é a história de quem ele é agora e para onde está indo a partir daqui, e não a história de quem ele foi naqueles primeiros 40 anos como humano”, disse o escritor da Respawn, Tom Casiello, ao Dot Esports. “Esse é quem ele é, nos últimos 300 anos.”

Isso pode ser um obstáculo para os fãs que esperavam aprender mais sobre a história de Revenant, mas certamente não é uma ruptura em seu personagem.

Casiello queria que o capítulo de Revenant revelasse fatos importantes sobre ele, como seu nome verdadeiro. Mas conseguir que o simulacro se desfaça dessa informação seria complicado. “Não há razão para Revenant dizer nada sobre isso”, disse Casiello. “Ele não vai se abrir para o Pathfinder.”

Em vez disso, o escritor pretendia que Revenant usasse seu passado para mexer com o MRVN.

“Acho que soube desde o início, tipo, ele vai convencê-lo de que Pathfinder assassinou seu criador”, disse Casiello. Revenant faria isso “por diversão, apenas para causar e dar risada”. É aí que entra a história de Cross.

Revenant emprega a anedota distorcida para atormentar o Pathfinder e convencê-lo de que “pessoas muito boas podem fazer coisas muito ruins.” A história é uma ferramenta para causar estragos na mente do Pathfinder, mas um efeito colateral é que ela dá aos fãs um vislumbre da primeira vida de Revenant. Esse olhar sobre a vida de Cross tem raízes na auto-aversão, na perspectiva vitriólica e, sem dúvida, parcial do simulacro.

“Não há ninguém que odeie Kaleb Cross mais do que Revenant”, disse a escritora Ashley Reed ao Dot Esports.

Pathfinder’s Quest martela no ponto que a perspectiva importa e o ponto de vista de Revenant é desfigurado por sua auto-aversão e sede de sangue. “É por isso que ele mexe com a Pathfinder: a miséria adora companhia”, disse Reed.

O ódio de Revenant por si mesmo (e, por extensão, por Cross) orienta a história. O núcleo da narrativa se desenvolve a partir da perspectiva de Bob Woods, o homem que matou Cross, e Kaleb “não é um personagem de sua própria história”, de acordo com Casiello.

Revenant reconhece seu eu passado, mas dificilmente sob uma luz positiva. Em suas próprias palavras, Cross era um homem sem moral, sem valores e sem consideração pela vida humana. E enquanto Revenant recontava a morte horrível de Cross, afogado em água de esgoto pestilenta e não tratada, o simulacro dizia que era onde Cross pertencia.

Apesar de seu destino horrível, Cross “era um homem simples com uma morte simples, e foi isso”, de acordo com Casiello. Afinal, ele morreu apenas uma vez, e isso foi há mais de 300 anos. A história de Revenant vai muito além disso.

O próprio simulacro comenta sobre isso durante seu capítulo. “Fui um saco de carne por 44 anos. Eu tenho isso há 313 anos. O que torna esses 44 mais importantes do que os 313 que se seguiram?” Cross morreu uma vez, enquanto Revenant passou por milhares de mortes dolorosas, horríveis e perturbadoras. E ele se lembra de todas elas.

Revenant foi programado para esquecer todas as vezes em que encontrou seu fim, uma lousa em branco até o próximo afogamento, explosão ou ferimento fatal de faca acontecer. “Assassinos de aluguel não morrem em paz durante o sono”, diz ele em uma tela de carregamento. Ele passou 300 anos inconsciente de sua desumanidade e de seu passado, até que sua programação falhou.

A corrupção dos sistemas de Revenant o forçou a reviver as vidas (e mortes) das quais ele tinha pouca lembrança. “300 anos de morte, de medo, de terror, tudo voltando em um único e solitário segundo”, ele diz a Loba em O Fantasma Despedaçado. “É o inferno. Cada segundo da minha existência é um inferno.”

Como personagem, o maior conflito de Revenant só começou a tomar forma muito depois do fim de sua vida humana, se é que alguma vez houve humanidade em Kaleb Cross.

Artigo publicado originalmente em inglês por Pedro Peres no Dot Esports no dia 26 de março.