Jogador brasileiro de PUBG Mobile suspenso por comentários racistas

Goodzin da INTZ, foi suspenso por um ano por fazer um comentário racista.

Imagem via PUBG Corp.

Lucas “Goodzin” Martins da INTZ foi condenado a um ano de suspensão por fazer comentários racistas contra outro jogador de PUBG Mobile. A INTZ e Goodzin estavam competindo na primeira temporada do PUBG Mobile Pro League (PMPL) Brasil.

Goodzin chamou um jogador de outro time de “negro filho da puta” durante uma entrevista no canal da Twitch de ferzotetv. A stream, que aconteceu em 4 de abril, parece ter sido excluída.

Hoje, o PUBG Mobile e-sports suspendeu o jogador por um ano de acordo com o artigo 6.3.3 do livro de regras que trata de observações sexistas, homofóbicas, racistas e outras ofensas. Goodzin não poderá participar de nenhuma competição oficial por um ano.

“Nós da Tencent Games reiteramos que não concordamos com nenhuma conduta discriminatória e oferecemos nossa solidariedade à vítima”, disse a equipe de e-sports do PUBG Mobile em um comunicado. “Também gostaríamos de pedir que se você ver ou ouvir qualquer comportamento semelhante a este, avise os organizadores do evento.”

Os companheiros de Goodzin também estiveram presentes na transmissão. Quando ele fez o comentário, eles riram enquanto pediam para ele parar.

A INTZ também rescindiu o contrato com o jogador, de acordo com reportagens de veículos de comunicação. A organização de e-sports ofereceu uma reeducação a Goodzin.

Atualmente, a INTZ está em primeiro lugar no ranking do Super Weekend da PMPL Brasil após uma semana. Ainda faltam duas semanas para a fase de campeonato.

Artigo publicado originalmente em inglês por Wasif Ahmed no Dot Esports no dia 06 de abril.