O potencial de Astra em VALORANT é galáctico, assim como seu nível de habilidade

Embora difícil de dominar, a ganesa pode abalar o meta dos controladores.

Imagem via Riot Games

VALORANT está ansioso por um novo agente para apimentar a classe de controlador, e a jogabilidade de “cérebro da galáxia” de Astra pode fazer exatamente isso.

A ganesa canaliza o poder do cosmos para afirmar o domínio em escala de mapa, posicionando estrelas que explodem, causam concussão e se transformam em fumaça. a Dot Esports foi convidada para testar a agente em um evento do Ato II, dando uma prévia do kit galáctico de Astra. E embora ela possa ter uma curva de aprendizado relativamente íngreme, seu potencial está fora deste mundo.

Um kit feito para controlar

Imagem via Riot Games

O truque principal de Astra é sua forma astral, que permite que ela atravesse o mapa e posicione estrelas, semelhante à fumaça de Omen. E isso lhe dá possibilidades infinitas.

A controladora pode transformar suas estrelas em uma de três coisas: uma fumaça, uma concussão em área ou em um Poço Gravitacional que suga os inimigos até o centro, semelhante à Suprema de Zarya de Overwatch. Precisa de fumaça do céu? Sem problemas. Vê um atrasado se escondendo atrás de um local? Faça uma concussão e ataque. Equipe inimiga avançando pelo meio? Puxe-os em seu Poço Gravitacional e meta bala. É usando estrelas de forma eficiente que você poderá separar Astras medíocres dos de elite.

Entrar e sair da Forma Astral pode ser complicado. A habilidade dá a você um ótimo ponto de vista para colocar estrelas em locais ideais, mas você obviamente não pode ver o time inimigo e isso deixa seu corpo vulnerável. E como os inimigos podem ver (mas não atirar!) As estrelas que você posiciona, você terá que gerenciar adequadamente a mecânica ao longo da rodada.

Astras especialmente talentosos podem enganar times colocando estrelas em um local para atrair os oponentes, apenas para tirá-los de onde estavam e trocar de lado. Mas um jogador inexperiente pode ser facilmente sobrecarregado por seu kit, potencialmente limitando seu potencial nas categorias mais baixas.

A Divisa Cósmica, ultimate de Astra, é a ferramenta perfeita para invadir um local ou afastar os inimigos durante a defesa. A habilidade cria uma parede gigante à prova de som que você não pode ver ou atravessar, mas você pode lançar habilidades para o outro lado. Espiar pela Divisa é definitivamente arriscado, dando vantagem a quem está cobrindo o ângulo. 

Astra vai finalmente sacudir o meta de Controlador?

Imagem via Riot Games

Se há algo positivo que a estreia da Astra trará, é a possibilidade de destronar o sempre tão popular Omen.

Mesmo depois que Brimstone foi fortalecido e Omen foi enfraqucido na atualização 2.0 de VALORANT, o Omen continua a ser o Controlador rei. Embora ele possa não ostentar a taxa de seleção de 98 por cento que teve durante o First Strike: North America, de acordo com o VLR.gg, ele ainda é o agente mais escolhido nos eventos NA VCT Challengers.

O meta de controlador atual está obsoleto. Na pequena chance de você conseguir um Brim em sua equipe, você geralmente ainda está perdendo a flexibilidade e mobilidade de Omen. E Viper é uma escolha irrelevante, sempre tentando abrir caminho para a mesa dos adultos. Astra, por outro lado, pode mudar as coisas.

O motivo pelo qual Omen é uma escolha popular é porque ele é muito versátil. Ele pode colocar fumaças em qualquer lugar no mapa e iniciar uma luta com o controle de multidão em área de Paranoia. Soa familiar?

Astra não só pode realizar as funções típicas de posicionar fumaças, como também tem as ferramentas para invadir um local e bloqueá-lo. Sua concussão e gravidade podem zonear os inimigos, enquanto sua ultimate fornece uma boa entrada em um local. E colocar estrelas da mesma maneira que Killjoy faria armadilhas pode impedir as equipes adversárias a tempo de uma rotação. A capacidade de de flertar com as classes iniciador e sentinela pode possivelmente impulsioná-la a um ponto inicial em qualquer equipe.

A única coisa que está no caminho dela? Uma curva de aprendizado íngreme.

Complexidade da Agente

Imagem via Riot Games

Uma preocupação persistente que pode afetar o impacto de Astra é sua complexidade. Em uma postagem do State of the Agents de 12 de fevereiro, a Riot deu a entender que ela foi projetada especificamente para jogadores “cérebro da galáxia” que “gostam de estudar tudo o que acontece em um mapa”. Com um desvio tão grande dos padrões de jogo típicos de VALORANT, o nível de habilidade de Astra pode prejudicar sua jogabilidade.

Vamos dar um passo para trás e olhar para o último lançamento de VALORANT, Yoru. O kit do duelista nada mais é do que jogos mentais cuidadosamente organizados para enganar os inimigos com passos, teleportes e cegueira. Mas o impacto de seu jogo é limitado pela habilidade dos jogadores em ambas as equipes, especialmente em níveis mais altos. À medida que você sobe na classificação, torna-se muito menos fácil vencer seus oponentes.

O treinador da TSM, Taylor “Tailored” Broomall discutiu a complexidade de Yoru em uma entrevista com Dexerto, explicando que “quanto menos complicado você pode tornar este jogo, mais fácil é se concentrar na dinâmica e na comunicação de equipe e nas coisas que realmente vencem torneios.” Na mesma linha, o profissional do Sentinels, Hunter “SicK” Mims, tuitou em janeiro que Yoru é “meio ruim”, tem “muitos sinais sonoros para serem utilizáveis” e “parece ser útil apenas em situações muito específicas.”

Desde então, a Riot fez alterações de balanceamento em Yoru na atualização 2.03, melhorando a clareza visual e de áudio em sua Passagem Dimensional (E) e dando ao seu Espionagem Dimensional (X) alguns fortalecimentos de minimapa. Mas o agente ainda precisa de muito mais ajuda se quiser fazer aparições competitivas regulares.

Astra pode enfrentar um problema semelhante como um dos agentes mais complicados. Mas ela tem uma grande diferença de Yoru: vale a pena dominá-la.

Armada com duas formas de controle de grupo, fumaça e uma enorme ferramenta de zoneamento para o que há de melhor, Astra com certeza terá um impacto do tamanho do espaço. E como não há muitas alternativas viáveis ​​de controlador, ela pode se infiltrar facilmente no meta atual. Embora Yoru seja divertido e único, existem várias opções melhores na posição de duelista.

Sim, jogar com ela exige algum trabalho e muitas tentativas e erros, e aqueles de nós que a testamos cedo podem definitivamente atestar isso. Mas Astra terá seus jogadores de VALORANT mesmo assim.


Siga-nos no  YouTube  para mais notícias e análises sobre esportes.

Artigo publicado originalmente em inglês por Andreas Stavropoulos no Dot Esports no dia 27 de fevereiro.