Desenvolvedor de VALORANT está “aberto à possibilidade” de explorar mais modos de jogo depois do lançamento

É mais que desarmar bombas.

Captura de tela via Riot Games

Depois da revelação de VALORANT, no começo do mês, os fãs perceberam que a Riot tinha feito o dever de casa com seu jogo de tiro em primeira pessoa, anotando referências de outros jogos competitivos como CS:GO para criar o modo principal.

Mas o designer de VALORANT, Trevor Rolemski, disse em entrevista ao IGN Nordic que, embora o jogo seja lançado com o formato clássico “Search and Destroy” (“Vasculhar e Destruir”), o time está “totalmente aberto à possibilidade de explorar novos modos depois do lançamento”.

“Por enquanto, temos essa experiência que queremos criar e garantir que seja a melhor possível”, explicou Rolemski.

Levando em conta que VALORANT entra em um gênero dominado pelo jogo tático atemporal e cada vez maior da Valve, faz sentido que a Riot queira que VALORANT cause uma boa impressão quando for lançado, no meio de 2020.

David Nottingham, diretor criativo de VALORANT, disse que o time “colocou a jogabilidade em primeiro lugar e criou o resto em torno dela”. Ele explicou que foi “uma abordagem quase analítica”, garantindo que a jogabilidade fosse o mais impecável possível.

O diretor também mencionou que os agentes “distintos” do jogo terão suas próprias histórias de origem e um motivo para entrar na luta. Apesar de eles não terem suas próprias séries em quadrinhos como alguns campeões de League of Legends, o jogo certamente vai envolver narrativa.

Além das habilidades especiais dos agentes, criadas para mudar um pouco a fórmula do gênero, parte da novidade trazida por VALORANT é o foco no design de mapas únicos.

Salvatore “Volcano” Garozzo é um dos supervisores de mapas de VALORANT. Volcano foi jogador profissional de Counter-Strike em três versões diferentes do jogo, mas talvez seja mais conhecido como o criador de vários mapas da série, como Cache.

Pelo que vimos de Bind e Haven, os dois mapas testados pelos jogadores, VALORANT parece mesmo ter uma abordagem diferente do típico sistema de três rotas. Bind, por exemplo, não tem uma rota do meio e usa teletransporte, enquanto Haven enfatiza a rota do meio com um local de bomba a mais.

A Riot está comprometida com seu objetivo de transformar VALORANT em um grande nome dos jogos de tiro táticos, e para isso vai tentar fazer com que o lançamento seja o mais refinado possível. VALORANT será lançado no meio de 2020, apenas com Search and Destroy, mas provavelmente não vai demorar para haver outros modos de jogo.

Artigo publicado originalmente em inglês por Dexter Tan Guan Hao no Dot Esports no dia 10 de março.