Teamfight Tactics: Destinos aprende com os erros dos conjuntos anteriores e entrega jogabilidade mais equilibrada até hoje

Giovanni Scarpati, designer do conjunto, explicou as decisões que ajudaram a fazer dele um sucesso.

Imagem via Riot Games

Com as cores pastel do mundo do Florescer Espiritual como pano de fundo, o Conjunto Quatro: Destinos de Teamfight Tactics desafia e recompensa a criatividade dos jogadores.

Em todos os níveis de jogo, a criatividade é vital e existe em duas formas diferentes. Para iniciantes e jogadores casuais, o importante é se divertir e tentar composições malucas. Em níveis mais competitivos de jogo, o importante é ter a intuição de saber quando adaptar sua composição dependendo do que tiver ao seu alcance.

Mas o que esse conjunto de TFT deve fazer para todos os jogadores é inspirá-los a criar histórias e compartilhar uns com os outros, seja pelo meme ou pelo meta.

O principal designer do conjunto Destinos, Giovanni “Chaemirix” Scarpati, disse ao Dot Esports que a mecânica do Escolhido é a forma de trazer ao jogo essa criatividade e um certo aspecto narrativo.

“Espero que traga mais adaptabilidade”, disse Scarpati da mecânica do Escolhido. “Os jogadores precisam decidir se podem capitalizar em um Escolhido do início do jogo ou se devem mudar de rumo.”

É aí que o jogo faz você usar a criatividade. A equipe de desenvolvimento de TFT acredita que os melhores jogadores serão os que aproveitam isso, fazendo do conjunto atual o mais competitivo até agora.

Imagem via Riot Games

A questão mais antiga do design de jogos é: como criar um jogo divertido e balanceado? Os desenvolvedores encontraram uma resposta brilhante para a parte da diversão com a mecânica do Escolhido. Mas balancear um jogo como TFT acabou sendo uma tarefa desafiadora.

A equipe de desenvolvimento teve muito a aprender com os acertos e erros do conjunto anterior, Galáxias, em termos de balanceamento. Eles determinaram que pequenas alterações fazem muita diferença na hora de manter a estabilidade do jogo.

Todo jogador de TFT deve se lembrar da infame “atualização Jarvan IV” (atualização 10.14), que mudou o meta de forma tão drástica que quase não deixou espaço para nenhuma outra composição exceto Estrelas Negras e Guardiãs Estelares.

Para ajudar a impedir esses pesadelos de balanceamento no futuro, o Conjunto Destinos trouxe muito mais opções dentro do jogo para lidar com certas composições. Em conjuntos anteriores, era preciso ter Vanguardas ou Místicos para se defender de dano físico ou mágico, mas em Destinos há características como Ofuscante, trazendo a sensação de que nenhuma composição é imbatível.

Em Destinos, vale a pena usar uma composição padrão do meta no início do jogo e depois ir adaptando com base no que seus oponentes estiverem usando, adicionando algo como Místico ou Vanguarda para balancear. Os desenvolvedores dizem que, nos estágios iniciais do conjunto, têm aparecido menos acúmulos de uma característica só e mais misturas, algo que eles consideram saudável para o jogo.

“Com Galáxias, queríamos que fosse mais amigável aos novos jogadores”, explica Scarpati. “Tínhamos acabado de sair de Ascensão dos Elementos, que foi um conjunto bem avançado. Mas, com Galáxias, aconteceria também o lançamento para dispositivos móveis, então queríamos que fosse mais fácil e rápido de entender. É muito mais fácil para um novo jogador aprender a usar composições como a de seis Guardiãs Estelares, porque você só precisa buscar uma característica.”

Mas, agora que a maior parte dos jogadores já entende muito bem o básico do jogo, os desenvolvedores querem que Destinos faça algo um pouco mais avançado e complexo.

É por isso que a mistura de características não é tão incomum em Destinos. Algumas boas composições misturam coisas como a característica Espírito, uma sinergia de Mago e alguns Lutadores na linha de frente, e podem se sair melhor que composições mais verticais como nove Cultistas, o que não aconteceria no conjunto anterior.

Teamfight Tactics Set 4 Fates Items
Imagem via Riot Games

Parece que, por enquanto, Destinos é um sucesso para a Riot e a maior parte dos fãs respondeu de forma positiva. Para a equipe de desenvolvimento, esse parece ter sido o lançamento mais tranquilo de um conjunto até o momento, e o jogo está relativamente bem balanceado.

Mas a equipe de TFT não parece estar pensando em desacelerar. No meio do conjunto, haverá uma grande expansão, parecida com a do Conjunto Galáxias.

A expansão do Conjunto Destinos supostamente seria ainda mais majestosa e dramática que a do conjunto anterior, com direito a novos campeões, arenas e Pequenas Lendas, além de uma possível mecânica no estilo das Galáxias caso as partidas de Destinos acabem ficando muito parecidas umas com as outras.

“Se acharmos que precisamos, vamos pensar em algo que independa do conjunto, porque a ideia é que continue em todos os conjuntos futuros de TFT”, disse Scarpati. “Achamos que funcionou bem no conjunto passado e, se quisermos trazer de volta agora, vamos querer nos próximos conjuntos também.”

Mas é preciso que a equipe tenha cuidado para não encher o jogo de mecânicas complicadas demais.

“É importante que tudo que fazemos seja relativamente simples e é importante não adicionar coisas demais ao jogo”, explicou Scarpati. “Mas, sim, gostamos da ideia e estamos de olho nos servidores ativos e temos algumas ideias do que queremos fazer.”

Os desenvolvedores de TFT abordaram o Conjunto Destinos com a confiança de quem aprendeu com os conjuntos passados — e funcionou, porque Destinos parece mais balanceado. E a mecânica do Escolhido permite uma variedade divertida e criativa entre partidas, ao mesmo tempo em que permite aos jogadores mais habilidosos mais uma forma de provar sua habilidade. Pode ser que essa seja a melhor versão do jogo até agora.

Artigo publicado originalmente em inglês por Samuel O’Dwyer no Dot Esports no dia 07 de outubro.