Teamfight Tactics 2019: revisando 6 meses

Será que o TFT tem o que é preciso?

Imagem via Riot Games

Em 2019, a Riot Games finalmente fez uso do “s” em seu nome quando introduziu o autobattler Teamfight Tactics.

Uma lista de campeões familiares, Pequenas Lendas adoráveis​​ e uma atmosfera de baixa aposta impulsionaram o TFT ao sucesso instantâneo. E alguns dos maiores criadores de conteúdo do cenário adotaram o autobattler, ajudando a causa. Embora seus primeiros seis meses sejam certamente impressionantes, o TFT pode ter o mesmo efeito duradouro que o League of Legends teve na última década?

O sucesso inicial não foi coincidência

01_TFT_Update_Banner (1)
Imagem via Riot Games

É difícil argumentar que o TFT não começou com tudo. O jogo foi praticamente impossível de jogar nos primeiros dois dias, devido à grande quantidade de pessoas tentando pular para a Convergência. Em uma atualização de três meses após o lançamento do autobattler, a Riot revelou que o TFT atrai mais de 33 milhões de jogadores todos os meses. E a base global de jogadores simultâneos de League aumentou até 30% após o lançamento do TFT .

O TFT é uma alternativa casual para jogadores que procuram evitar o estresse das ranqueadas de League. Até o modo ranqueado do TFT é flexível, já que os jogadores podem tecnicamente vencer mesmo ficando em quarto colocado. Mecânica e cooperação de equipe são substituídos por estratégia e um pouco de sorte na forma de RNG (Gerador de Número Aleatório).

A cena “competitiva” do autobattler possui a mesma natureza descontraída que os fãs desfrutam jogando partidas casuais. O Invitational A Ascensão dos Elementos, que comemorou o segundo conjunto de conteúdos do jogo, convidou um grupo de influenciadores e streamers a participar de uma batalha. Embora houvesse locutores e entrevistas, a falta de uma grande audiência em um enorme estádio certamente foi um afastamento dos eventos típicos da Riot.

E não parece que a cena de esports do TFT vá se desviar dessa fórmula. Em entrevista à Shotcaller, John Needham, diretor global de esportes da Riot, disse que o TFT não será “tão estruturado” quanto o League e será “mais casual” e “focado no entretenimento”.

O TFT oferece uma experiência acessível e gratificante para jogadores que desejam subir de nível ou simplesmente se divertir com os amigos. E a cena do esports reflete isso

Dores crescentes

Imagem via Riot Games

Apesar de seu sucesso inicial, a TFT certamente encontrou alguns obstáculos na estrada.

Os desenvolvedores têm lutado constantemente contra o ato de equilibrar o controle do meta. Toda atualização parece ter uma equipe quebrada que se destaca acima das outras. Nobres, Metaformos e Akali de Gume do Infinito, que foram os primeiros colocados em todos os jogos. E a Ascensão dos Elementos foi atormentada por Singed de Morellonomicon e a estratégia de rerrolar Druidas e Bosque.

Para ser justo, o jogo está em sua infância. E depois de 10 anos, os desenvolvedores de League fazem do balanceamento uma ciência. Usando a década de experiência que a Riot Games tem para garantir que mais de 140 campeões sejam viáveis, não há dúvida de que a mesma sabedoria aparecça no autobattler.

https://www.twitch.tv/disguisedtoast

E nenhum jogo competitivo ao vivo estaria completo sem seu quinhão de bugs. Os desenvolvedores de TFT tiveram que lidar com todo tipo de coisa, desde duplicar o Ajuda de Neeko até um número infinito de clones do Zed. Uma mudança recente na interface do usuário do autobattler causou uma infinidade de problemas de exibição, como falta de barras de experiência e dificuldade em percorrer os tabuleiros inimigos. Apesar de os erros aparecerem com certa frequência, os desenvolvedores os consertam prontamente com atualizações de correção.

Com os desenvolvedores já fazendo grandes avanços na eliminação de problemas de quebra de jogo, essas “dores crescentes” diminuirão à medida que o autobattler envelhecer.

TFT tem o que é preciso para se tornar permanente?

Imagem via Riot Games

Spoiler? Sim.

A Riot criou um mercado completamente separado de League com a venda de Pequenas Lendas. Os lucros são impulsionados pela venda dos amigos adoráveis ​​que te fazem companhia na Convergência. E com uma nova série sendo lançada praticamente todos os meses, a Riot garante que os jogadores tenham bastante conteúdo para adquirir.

Captura de tela via TwitchTracker.com

Mas existem algumas preocupações a frente. A audiência do TFT na Twitch caiu consideravelmente desde o lançamento, de acordo com o TwitchTracker. O autobattler parece ter se nivelado em cerca de 17.000 espectadores simultâneos, bem distante dos 120.000 do League.

E a Riot anunciou vários novos lançamentos para um futuro distante, incluindo um jogo de luta, um jogo de tiro em primeira pessoa, um jogo de cartas, um RPG baseado em turnos e um jogo de plataformas.

Projeto L
Imagem via Riot Games

Não está claro que tipo de efeito isso terá no TFT . Um aumento nos títulos traria mais tráfego aos jogos da Riot? Ou novos jogos entrariam na já limitada base de jogadores do TFT? E a Riot continuará a se esforçar no desenvolvimento contínuo do autobattler, mesmo com tantos novos projetos sendo produzidos?

Uma empresa enorme como a Riot provavelmente fará as coisas funcionarem. E não parece que o autobattler pretendesse ser um título de grande sucesso para rivalizar com o League. Se a Riot criou o Teamfight Tactics para ser uma experiência divertida e casual para um público diversificado, então certamente foi o que aconteceu.

Artigo publicado originalmente em inglês por Andreas Stavropoulos no Dot Esports no dia 27 de dezembro.