Rotação de Heróis melhorará a experiência nas ranqueadas de Overwatch

Apesar de uma reação morna por parte dos jogadores, o recurso é um grande passo na direção certa.

Imagem via Blizzard Entertainment

Durante séculos, os jogadores de Overwatch imploraram aos desenvolvedores para melhorar a experiência competitiva do jogo. Nesta semana, o diretor de jogos Jeff Kaplan anunciou a introdução de Rotação de Heróis para Overwatch na 21ª temporada de jogos competitivos. O novo recurso “desabilitará” vários heróis semanalmente. Não é exatamente o que os fãs do sistema de banimentos de heróis têm pedido, mas é uma grande mudança na infraestrutura dos jogos competitivos.

Apesar de oferecer algumas das vantagens que um sistema de banimenetos de heróis teria prometido, boa parte da base de jogadores não está tão entusiasmada com a Rotação de Heróis quanto seria de esperar. Nos fóruns de Overwatch , postagens como “Rotação de heróis matam Overwatch começaram a aparecer. Alguns jogadores populares criticaram o recurso, dizendo que não queriam que os desenvolvedores formulassem sua experiência de jogo.

A reação da base de jogadores de Overwatch parece dividida, mas aqui estão algumas razões pelas quais a adição da Rotação de Heróis apenas melhorará a experiência ranqueada.      

De meta obsoleto a nenhuma meta 

A existência de um “meta obsoleto” tem sido a maior reclamação dos jogadores de Overwatch, de fãs casuais a profissionais da Liga Overwatch. À medida que os heróis são atualizados, certas composições de equipe tendem a dominar o circuito competitivo de alto nível. Esses “metas” ficam por aí até que as atualizações de balanceamento alterem os heróis o suficiente para torná-los irrelevantes. Por exemplo, as últimas atualizações se concentraram em reduzir o poder avassalador dos heróis dos escudos. 

Rotação de Heróis não seria nem a primeira tentativa em larga escala dos desenvolvedores de Overwatch para evitar metas obsoletos. Em agosto de 2019, a fila por funções foi adicionada ao modo jogo rápido e competitivo. A escolha de funções também foi adicionada à Liga Overwatch, forçando as equipes a colocar dois suportes, dois causadores de danos e dois tanques em cada partida. Embora os desenvolvedores afirmassem que a mudança estava chegando, a fila por funções efetivamente matou a combinação de suporte triplo com tanque triplo conhecida como GOATS.

Nos últimos meses, os heróis de escudo e um grupo seleto de heróis de dano dominaram o jogo competitivo de alto nível. Sentindo a presença de outro meta obsoleto, os jogadores imploraram aos desenvolvedores para equilibrar agressivamente os heróis ou adicionar um recurso que forçaria os jogadores a serem criativos. 

Com Rotação de Heróis, metas antigos não serão um problema por muito tempo. Se quatro a cinco heróis são desativados do jogo por semana, há uma alta probabilidade de que pelo menos dois heróis do “meta” estejam entre eles. Sem o apoio de heróis de escudo como Orisa ou curandeiros como Baptiste, os jogadores terão que desenvolver composições em tempo real. Eles terão que pensar em como certos heróis trabalham em mapas específicos ou escolher as opções de seus inimigos. 

Metas acabarão surgindo depois que os jogadores pegarem o jeito da Rotação de Heróis. As pessoas começarão a perceber quais heróis funcionam melhor se outros heróis não estiverem disponíveis. Mas mesmo esses pseudo-metas exigirão alguma criatividade e variação muito além do entendimento usual de que apenas seis a oito heróis são viáveis ​​ao mesmo tempo. 

Menos “meta-bullying” 

Quando um determinado meta é dominante, a maioria dos jogadores competitivos começa a acreditar que esses heróis são as únicas escolhas corretas dentro do jogo. Às vezes, essa é uma afirmação incrivelmente válida. No meta atual, Orisa e Sigma são muito mais úteis do que outros heróis de escudo em quase todos os níveis. Outras vezes, os jogadores acreditam erroneamente que as escolhas de alto nível dos heróis são únicas. Se os profissionais não jogam de Widowmaker há um certo período de tempo, por exemplo, escolher esse herói em jogos competitivos é considerado uma “escolha de lance”. 

Especialmente nos ranques mais baixos do modo competitivo, o “meta bullying” se torna uma ocorrência comum. Um jogador que pode não estar familiarizado com o meta escolhe um herói de sua escolha. Incomodados com essa decisão, os outros membros dessa equipe os incentivam a fazer outra seleção que se alinhe melhor com o que atualmente está “correto” dentro do jogo. Isso às vezes se torna agressivo. Mesmo que o primeiro jogador faça um bom trabalho em sua escolha inicial, eles são forçados a mudar por causa da pressão social.

Com a Rotação de Heróis, isso se torna muito menos problemático. Se um meta padrão não estiver presente, pouquíssimas pessoas além do nível mais alto de jogadores saberão qual é a escolha correta e absoluta para qualquer partida. A criatividade pode reinar em níveis inferiores. Os jogadores terão a vantagem de testar heróis e ver o que funciona melhor em vez de confiar em um único modelo para o sucesso. 

Nesse caso, a ignorância gera alegria nas Rotações de Heróis. Se ninguém souber qual é a escolha correta, e especialmente se não houver uma única escolha correta de herói, será menos provável que pressionem os outros a se conformarem com suas idéias.    

A comunidade vai lidar com isso 

Quando a fila por função estreou no segundo semestre de 2019, a comunidade de Overwatch fez queixas semelhantes às que eles fizeram sobre a Rotação de Heróis. Alguns jogadores rejeitaram a idéia de serem “forçados” a um certo estilo de jogo pelos desenvolvedores. Jogadores que gostam de se exercitar em todas as funções não gostaram da restrição.

Apesar dessas reclamações, a maioria da comunidade se beneficiou da estrutura criada pela fila por funções. As composições de equipe são mais organizadas e configuradas para o sucesso; Muitos jogadores esqueceram os dias em que não ter curandeiros era uma preocupação muito real. Filas longas, especialmente para jogadores de dano, foram a única consequência real da mudança de 2-2-2. 

Mudar é difícil e a comunidade de Overwatch nunca parece lidar bem com o assunto. Hanzo teve um retrabalho em 2018 e alguns jogadores ainda lamentam a perda de sua habilidade antiga. Essas reformulações levaram Hanzo a se tornar básico no modo competitivo, ganhar tempo de jogo na Liga Overwatch e ter sucesso como herói de maneiras que ele não teria como fazer.

O supremo da Mercy foi drasticamente alterado no final de 2017, a ponto de seus maiores fãs ameaçarem sair do jogo. Essa mudança singular levou a um uso esmagadoramente alto de Mercy durante os meses seguintes na Liga Overwatch

A Rotação de Heróis nem sequer é uma mudança permanente como a fila por função foi. Sobre o assunto Rotação de Heróis, Jeff Kaplan disse que, se a equipe e a comunidade de desenvolvimento “não sentirem uma mudança positiva durante a 21ª temporada, nós voltaremos na 22ª temporada”. Na última atualização do desenvolvedor, Kaplan acrescentou que a equipe de desenvolvedores está tentando ser mais aberta sobre a reversão de alterações, se necessário. 

Os desenvolvedores que “desativam” os heróis no modo competitivo mudarão absolutamente o Overwatch como o conhecemos. Isso não significa que a alteração é garantidamente negativa. Essa mudança força a comunidade a ser criativa com as composições de equipe e a desenvolver estratégias que funcionem de acordo com suas próprias forças, não com as estabelecidas pelos profissionais. Os jogadores terão que sair de suas zonas de conforto para apoiar seu time. A Rotação de Heróis adiciona um nível de caos bem-intencionado ao jogo. Dê uma chance ao caos.

Artigo publicado originalmente em inglês por Liz Richardson no Dot Esports no dia 31 de janeiro.