Blizzard pune 18.000 contas de Overwatch na Coreia do Sul por toxicidade

A desenvolvedora publicou uma extensa lista de jogadores punidos na região.

Imagem via Blizzard Entertainment

Feliz Ano Novo para todos, exceto para os mais de 18.000 jogadores de Overwatch que foram punidos pela Blizzard em 2 de janeiro.

A desenvolvedora de Overwatch publicou uma lista extensa de jogadores banidos, suspensos e punidos no fórum do jogo. As 18.188 contas foram consideradas culpadas por uma série de motivos relacionados à toxicidade, como perder jogos de propósito, inatividade, linguagem imprópria e assédio, e todos têm punições diferentes. Uma lista pública de jogadores banidos não é algo tradicional para outras regiões de jogadores de Overwatch, mas é um ato comum na Coreia do Sul. Após cada temporada, a sede sul-coreana da Blizzard publica a lista, mas nem sempre ela fica tão longa. Essa lista em particular é tão longa que abrange três publicações, pois ultrapassa o limite de caracteres do fórum da desenvolvedora não só uma vez, mas duas.

A Blizzard aborda a toxicidade em Overwatch de várias maneiras, mas como evidenciado pela enorme onda de punições na Coreia do Sul, a desenvolvedora ainda passa por problemas. Jeff Kaplan, o diretor de Overwatch, descreveu uma iniciativa de comportamento de jogadores em janeiro do ano passado, sugerindo que o problema de toxicidade de Overwatch continua sendo o foco principal. O sistema de denúncias foi revisado, e Kaplan disse que a equipe de ação de Overwatch está rastreando mau comportamento mesmo fora do jogo, como em clipes compartilhados nas mídias sociais, no YouTube e na Twitch. Novos recursos sociais também foram adicionados como forma de promover o bom comportamento.

Em julho de 2018, Kaplan disse que o sistema estava funcionando. O diretor de Overwatch disse que as partidas competitivas com chat abusivo caíram 26,4 por cento nos servidores americanos e 16,4 por cento na Coreia do Sul. Jogadores sendo abusivos todos os dias nas Américas caíram 28,8 por cento e na Coreia do Sul, 21,6 por cento.

Mas a toxicidade e a trapaça em Overwatch permanecem, tanto que o governo da Coreia do Sul também está envolvido. No mês passado, uma emenda à Lei de Promoção da Indústria de Jogos foi aprovada, que faz com que o ato de aumentar artificialmente a classificação de outro jogador de baixa classificação, também chamado de impulsionamento, seja punível por lei. Impulsionadores podem ser processados com até dois anos de prisão com suspensão condicional de pena e uma multa de até US$18.000. Um criador de hacks na Coreia do Sul foi acusado sob a mesma lei em junho de 2018 e foi condenado a dois anos de prisão com suspensão condicional e uma multa pesada.

O problema claramente continua e se espalha até mesmo na liga de elite de Overwatch. Um número significativo de jogadores da Liga Overwatch foi suspenso na temporada inaugural por mau comportamento, e as punições já começaram a chegar para a temporada de 2019. A Blizzard adotou a lista pública com seu novo “Rastreador Disciplinar”, que será atualizado quando as punições forem distribuídas. Em 21 de dezembro, sete jogadores foram adicionados ao rastreador por diversos motivos.

Na publicação no fórum sul-coreano, um representante da Blizzard observou que a equipe de desenvolvimento está fazendo melhorias no sistema de denúncias e punições.