A Oficina de Overwatch é um antro de criatividade, mas não é para todo mundo

Você tem paciência?

Imagem via Blizzard Entertainment

A Oficina de Overwatch é sem dúvidas uma adição incrível ao jogo, mas a quem ela realmente serve?

Sinceramente, não é para todo mundo, mas isso não significa que não é acessível. O principal público deve ser de usuários que querem tanto criar que inventam uma nova forma de paciência a partir de amor ou teimosia.

A Oficina já é um pouco difícil de encontrar. Ter que passar por três telas do menu para chegar até ela não parece intuitivo, mas, depois da primeira tentativa, é fácil memorizar.

Depois de entrar, porém, é que as coisas ficam um pouco mais confusas. A prova de fogo para o usuário é a tela de “Regras” em branco. A Blizzard incluiu, como gentileza, uma mensagem que aparece e leva o jogador direto aos fóruns, mas aí fica o primeiro indicador de que o modo pode não ser para todo mundo.

Ter que vasculhar os fóruns atrás de respostas e encontrar ainda mais perguntas é algo que cansa muito rápido, e vai desestimular muita gente. O Reddit parece uma opção mais viável para receber alguma ajuda.

A Blizzard faz um trabalho ok ao dar o máximo de informações possível sobre criar regras, mas no fim das contas um usuário médio deve levar cerca de uma hora para entender a lógica de como as regras funcionam. Quando alguém adiciona uma regra, o evento, a ação e a condição devem ser especificados.

Na nossa experiência pessoal, todo evento “Global” causava uma regra quebrada, que é indicada por um balão de texto contornado em vermelho ao testar o modo. Mesmo que o usuário especifique a condição, o evento pode interferir com a condição se ela não estiver escrita do jeito certo. Parece confuso? E é, ao menos por um tempo. O único jeito de aprender de verdade é ir fazendo de novo, e de novo, e de novo.

A lógica se torna bem simples, mas os problemas começam quando certas opções parecem ser parte da mesma, como “Herói” e “Herói de” nas listas de ação e condição. De verdade, o único jeito de aguentar a dor é por tentativa e erro, o que vai acabar com a paciência de alguns usuários. E é a isso que se resume no fim das contas: paciência.

A Oficina claramente não é para todo mundo, mas isso não significa que só seja para usuários avançados. Por exemplo, nosso colunista de Overwatch fez uma variante de Combate até a Morte em que a habilidade suprema de Genji carrega ao surgir e tem duração ilimitada e velocidade de movimento aumentada para 200%.

O resultado foi tão engraçado quanto foi assustador. Foi possível ir até metade de King’s Row com a Lâmina do Dragão ativa sem encostar no chão. Claro, é o mais básico dos modos básicos, mas a ideia de ter um monte de Genjis voando alto carregando suas supremas acima de King’s Row traz um sorriso.

Resumindo, se você estiver ansioso para criar algo e tiver a paciência necessária para aprender o sistema, vai se sentir em casa brincando na Oficina. Se não é esse o caso, talvez seja melhor só colher os frutos do trabalho de outros criadores e se envolver nos testes dos novos modos com eles.

Não deixe a oficina assustar você por não estar pegando o jeito logo de cara. O que importa não é criar “o melhor modo de todos”, nem mesmo “consertar” Overwatch. O que importa na Oficina é criatividade, aprender e dar novas experiências às pessoas; mesmo que as novas experiências sejam um monte de Genjis voando pelo mapa e gritando “Ryūjin no ken wo kurae!”.