N0tail, da OG, responde aos comentários de Doublelift sobre ter “0% de chance de Dota ter mais complexidade mecânica do que League”

O debate dos MOBAs continua.

Foto via Valve

Este artigo foi trazido pelo StatBanana, a melhor ferramenta de estratégia de Dota 2.

O profissional de League of Legends, Yiliang “Doublelift” Peng, acredita que Dota 2 não tem um “uma complexidade mecânica” maior que o MOBA da Riot. Mas Johan “N0tail” Sundstein tem algumas ideias diferentes.

O capitão da OG, de Dota 2, respondeu aos comentários de Doublelift no Twitter hoje, questionando a falta de ação no início do jogo e a “fase de rotas muito longa” no cenário competitivo de League.

“Se, em média, os jogos profissionais têm de 4 a 5 mortes em 30 minutos, quais são os objetivos críticos?”, Disse N0tail. “É como uma mega fase de rotas muito longa, em que só importa os últimos golpes e o poke?”

Os comentários de N0tail sugerem que os jogos profissionais de League tendem a se desenvolver de maneira conservadora, com os jogadores trabalhando para criar builds para fazer a transição para o final do jogo. O jogador dinamarquês também abordou a alegação de Doublelift de que ele “carregou” ao jogar partidas em Dota, explicando que ele também “carregou” seus “primeiros e únicos jogos de League“.

Mas o N0tail está mais do que disposto a explorar o acalorado debate dos MOBAs. O jogador profissional twittou que estaria disposto a “encontrar-se” com jogadores de League “bem-sucedidos” e “articulados” para discutir as diferenças do jogo.

Embora os dois jogos pertençam ao mesmo gênero, ainda existem grandes diferenças entre eles que exigem conjuntos únicos de habilidades. A mecânica de “negar” no Dota 2, por exemplo, permite que os jogadores matem uma unidade aliada para que o inimigo não receba ouro e reduza a experiência com sua morte. O League, por outro lado, está se afastando lentamente dos atordoamentos por cliques, concentrando-se mais em disparos de precisão.

Embora um consenso sobre o melhor MOBA provavelmente nunca seja alcançado, um encontro de mentes entre os profissionais de League Dota certamente seria interessante.

Artigo publicado originalmente em inglês por Andreas Stavropoulos no Dot Esports no dia 24 de dezembro.