O segundo ato de Arcane parece um pouco apressado, mas ainda é uma boa continuação de sua abertura sensacional

Será que um dos maiores programas da Netflix do ano chegará ao capítulo final?

Screengrab via Riot Games / Netflix

Quando o primeiro show animado da Riot Games, Arcane, estreou, foi como assistir a uma exibição cintilante de fogos de artifício que chamou a atenção dos jogadores de League of Legends e de espectadores casuais e não jogadores, marcando o início de uma jornada épica e explosiva de autodescoberta e valeu a pena.

Algumas pessoas podem ter se sentido originalmente atraídas pelo show porque ele foi feito por seu estúdio de jogos favorito ou porque as personagens pareciam interessantes. Mas depois de mergulhar os pés na água, ficou claro que os espectadores estavam se jogando em uma montanha-russa lindamente animada indo direto para os mundos espelhados de Zaun e Piltover para vivenciar duas emocionantes, mas comoventes, histórias nessas cidades.

No segundo ato de Arcane, no entanto, esperávamos que o show se afastasse do cenário e estávamos prontos para pular para o drama e a ação que nos foi apresentado no primeiro capítulo desta saga. E embora tivéssemos mergulhado em mais ação, parecia que o ato mais recente possuia um aumento de ritmo estranho para a preparação do grande ato final.

(Spoilers sobre o ato dois de Arcane à frente.)

A centímetros do verdadeiro caos

Screengrab via Netflix

No segundo ato, somos lançados vários anos no futuro após os eventos do primeiro. Os personagens que conhecemos cresceram bastante. No topo, Jayce e Viktor revelaram o poder da Hextec para Piltover criando Hexportais que permitem que seus comerciantes e pessoas viajem distâncias enormes, enquanto suas novas Gemas Hextec podem alimentar quase qualquer máquina que você possa imaginar. Caitlyn se tornou uma Defensora júnior, para grande consternação de seus pais. Mas ela está determinada a provar a si mesma e não ser julgada apenas pelo nome de sua família.

Em Zaun, Jinx cresceu e se tornou um gênio adolescente com uma tendência para o caos e a destruição. Ela não parece estar completamente estável depois de matar acidentalmente Vander e ver sua irmã abandoná-la, especialmente depois de ser colocada sob as asas do novo líder do submundo, Silco.

A busca de Caitlyn para impedir o caos de Jinx a leva até a endurecida Vi, que é prisioneira de Piltover desde sua captura pelas mãos de Marcus. A improvável dupla junta forças para encontrar Jinx. Elas exploram mais de Zaun controlado por Silco e as duas irmãs eventualmente têm uma reunião emocionante que é interrompida pela presença de Caitlyn assustando nossa bombardeira de cabelo azul favorita junto com um ataque dos Fogolumes.

Screengrab via Riot Games

O final do segundo ato nos traz um círculo completo quando Marcus e o resto dos Defensores começam a bloquear pontes e ruas enquanto se preparam para a guerra, semelhante àquela em que Vander e os rebeldes Zaunitas lutaram durante os momentos iniciais do primeiro episódio.

Em termos de personagens e ambientes, Arcane continua acertando em cheio. Com nossos amados heróis crescendo agora, muitos jogadores do LoL começarão a reconhecer os campeões que estão programados para se tornar, enquanto os recém-chegados testemunham como essas pessoas evoluíram como adultos neste universo fantástico.

Zaun e Piltover são lindamente retratados pelos animadores e os personagens são encantadores como sempre. Por exemplo, a dubladora de Jinx, Fernanda Bullara, foi capaz de evocar aqueles momentos de caos interior tão bem durante os monólogos de sua personagem, enquanto também refletia a Jinx que os jogadores do LoL conhecem e amam.

As cenas de luta foram de tirar o fôlego e os momentos chave e cheios de emoção foram perfeitamente pontuados por uma edição e escolhas musicais incríveis.

Tão perto e ainda assim…

Imagem via Riot Games

Em uma série com apenas nove episódios para trabalhar, será uma tarefa difícil encaixar uma narrativa suficiente em tão pouco tempo. Muitos programas geralmente diminuem a velocidade no meio de seu arco, uma vez que também buscam acelerar as coisas em direção a um final dramático e emocionante. Mas as deficiências de Arcane no segundo ato eram muito mais perceptíveis, especialmente depois de um começo tão forte.

Havia vários aspectos da história que poderiam ter usado um pouco mais de tempo para crescer, em vez de as coisas simplesmente se encaixarem. O relacionamento de Caitlyn e Vi é um ótimo exemplo disso.

Todo o motivo pelo qual Vi concordou com o plano de fuga foi porque ela queria encontrar sua irmã. Mas em vez de se livrar de Caitlyn no momento em que saiu da prisão, como tantos outros esperavam que ela fizesse, ela apenas ficou com ela. Também demorou muito para que Vi confiasse em Caitlyn, embora ela tivesse um ódio intenso por Piltover e seus Defensores desde que era criança. Esse ódio também deveria ter sido reforçado depois que ela ficou tanto tempo presa.

Screengrab via Riot Games

A transformação de Powder em Jinx foi ótima de se ver como um jogador de LoL, mas novamente, seu reencontro choroso com Vi deveria ter sido muito mais conflituoso, se formos por eventos anteriores. Lembre-se, nosso gatilho desenfreado favorito tinha tanto ódio e desconfiança por Vi depois de sua “traição” no final do primeiro ato. Mas assim que ela a vê novamente, aquela grande força motriz é esquecida.

Mesmo que Jinx fique um pouco brava, elas realmente não têm um grande conflito depois de uma separação tão fragmentada no final do primeiro ato. Em vez disso, as coisas se encaixam conforme necessário e um novo problema é introduzido com os Fogolumes.

Parece que esses pontos principais foram acelerados para que o show pudesse parar em um momento de angústia para atrair as pessoas para o terceiro e último ato. Isso deixou uma narrativa instável em seu rastro que diminuiu o impacto de alguns dos grandes momentos que deveriam nos deixar sem fôlego. Mas a Riot ainda pode juntar as coisas e trazer as várias histórias ao seu final no terceiro ato de Arcane.


Certifique-se de nos seguir no  YouTube  para mais notícias e análises sobre esportes.

Artigo publicado originalmente em inglês por Tyler Esguerra no Dot Esports no dia 17 de novembro.