Este ano se encaminha para ser o menos diversificado da história da cena profissional de League of Legends

A temporada 2021 do LoL pode quebrar vários recordes de diversidade de campeões.

Imagem via Riot Games

Não é segredo que o meta da cena profissional de League of Legends está estagnado em 2021. De suportes com muito poder de iniciação até caçadores que usam o Quimiotanque Turbo, 2021 foi um ano pouco inovador como nunca antes visto no LoL profissional. E, se o meta continuar como está pelo resto da temporada, pode ser que vários recordes de diversidade de campeões sejam batidos ao fim de 2021.

Nunca antes na história do LoL profissional um campeão terminou a temporada com presença (banimentos + escolhas) acima de 80%, segundo o site de estatísticas gol.gg. A maior taxa de presença nas regiões mais importantes no momento é de Sett, que garantiu o recorde na temporada passada por sua flexibilidade. A marca recordista de 78% do campeão fez com que ele ultrapassasse Tahm Kench, que apareceu em 73% das seleções de campeões em 2018.

Nesta temporada, estamos nos encaminhando para que dois campeões ultrapassem a marca de 80%, com seis ultrapassando o limite de 70%. Kai’Sa e Renekton vão bater o recorde de presença de campeões se sua popularidade continuar assim até o fim do ano.

Na temporada passada, Sett e Aphelios foram os campeões mais dominantes dos jogos profissionais. Eles foram os únicos dois campeões escolhidos ou banidos em mais de 70% das partidas em 2020. E, embora nenhum dos dois tenha sido particularmente dominante em 2021, eles ainda são escolhas flexíveis em várias regiões.

O maior problema desta temporada, no entanto, é que a falta de diversidade nos campeões afeta todas as cinco funções.

Na rota superior, Renekton e Gnar dominaram o meta, aparecendo respectivamente 82% e 78%, segundo o gol.gg. São dois dos três campeões mais presentes no jogo nesta temporada. Somente Kai’Sa, que apareceu em 87% das partidas neste ano, foi mais dominante.

A selva também não teve muita variação nos últimos tempos. Desde os enfraquecimentos ao Hemodrenário na atualização 11.3, os campeões que usam Quimiotanque Turbo, incluindo Hecarim e Udyr, simplesmente não saem do meta, mesmo com vários enfraquecimentos. Udyr, com sua taxa de presença mundial de 71%, merece atenção na atualização 11.9, porque os enfraquecimentos ao Quimiotanque podem finalmente tirar o Andarilho Espiritual do meta profissional.

Para os jogadores da rota do meio, magos de controle como Orianna, Syndra e Twisted Fate vêm dominando desde o início da temporada. Mas, pelo menos, o meta da rota do meio foi o que mais teve escolhas diferentes. Campeões como Viktor, Azir e Zoe aparecem de tempos em tempos, fazendo do meio uma rota mais inovadora que outras. Enquanto outras funções do Summoner’s Rift ficam restritas a um meta mais fechado, os jogadores mais habilidosos do meio têm oito ou nove boas opções de campeões na temporada.

Na rota inferior, além do óbvio caso de Kai’Sa, os suportes também não variaram muito em 2021. A posição de suporte tem girado em torno de campeões com habilidades de iniciação, como Alistar, Rell e Thresh, que foram banidos ou escolhidos em cerca de 70% das partidas de 2021.

Estamos nos encaminhando para baixas históricas em termos de diversidade de campeões nesta temporada — e o problema se estende a quase todas as funções do jogo. Vinte e quatro campeões do elenco têm 33% de banimentos até a metade do ano, de acordo com o gol.gg. Contando que há 153 campeões em League of Legends, esse número essencialmente significa que apenas 15% do elenco domina o meta profissional, aparecendo em um terço de todos os jogos.

E, embora a Riot tenha se esforçado nas últimas atualizações para diversificar os campeões do meta — especialmente na selva —, ainda não vimos essas mudanças nos jogos profissionais.

Com uma pausa de um mês entre o encerramento das ligas regionais e o início do Mid-Season Invitational (MSI) 2021, os jogadores profissionais não vão competir até que a atualização 11.9 esteja estabelecida. Talvez no MSI, que começa em 6 de maio, possa haver mais variações no meta após os enfraquecimentos ao Quimiotanque Turbo e a vários dos campeões com foco em iniciação.

Artigo publicado originalmente em inglês por Michael Kelly no Dot Esports no dia 22 de abril.