As primeiras iterações da AVM do Dr. Mundo permitiam que ele ganhasse Vida máxima sempre que fosse atingido, diz a Riot

Riot Twin Enso e Reav3 discutem o retrabalho, a jogabilidade e as primeiras iterações do Mundo com o Dot Esports.

Imagem via Riot Games

A AVM do Dr. Mundo está chegando, oferecendo um modelo atualizado e kit de habilidade ao autoproclamado médico. E embora sua temática não se afaste muito do Mundo de outrora, a Riot compartilhou o que poderia ter sido.

O novo visual do Louco de Zaun está programado para chegar ao Rift em 9 de junho com a atualização 11.12, uma revisão muito bem-vinda de um dos campeões mais antigos de League of Legends. O designer de jogos, Glenn “Twin Enso” Anderson, e o produtor de campeão, Ryan “Reav3” Mireles, discutiram a próxima atualização de visual e mecânica, contando ao Dot Esports sobre as primeiras iterações, desafios enfrentados e como a Riot vai garantir que ele se mantenha equilibrado na chegada.

A Riot já havia compartilhado um primeiro olhar sobre o retrabalho do Mundo em um post no blog no ano passado, mostrando uma mecânica de explosões de corpos “em cadeia” que os desenvolvedores acabaram por decidir ir contra. Mas os desenvolvedores também experimentaram maneiras divertidas de fortalecer o louco, embora não tenham chegado à versão final.

“Uma das primeiras iterações que tentamos foi Mundo ganhando 1 de Vida Máxima cada vez que era atingido”, disse Twin Enso. “Foi divertido, mas incentivou muitas jogadas ruins! Nós também experimentamos Mundo convertendo armadura e resistência mágica em mais Vida Máxima. Ele frequentemente atingiu 11k de Vida, o que parecia que era muito bom. No entanto, isso realmente apenas intensificou os confrontos existentes de Mundo para ficarem ainda mais acirrados (Espada do Rei Destruído realmente o destruiu). ”

Enquanto Mundo tinha algumas mecânicas que não chegaram à versão ativa, os jogadores podem esperar que algumas de suas habilidades voltem no retrabalho. A Riot decidiu incluir as “habilidades icônicas” de Mundo no AVM, de acordo com Twin Enso, como seu cutelo (Q) e uma ultimate que oferece incrível regeneração de Vida. E já que os desenvolvedores queriam manter a simplicidade de Mundo, seu novo E ainda oferece uma reinicialização de ataque com um bônus adicional de arremessar inimigos abatidos em direção a outros oponentes.

Imagem via Riot Games

Duas das maiores mudanças ocorreram em sua passiva, agora denominado “Vai para onde quer” e Choquinho Cardíaco (W). Mundo agora pode resistir ao próximo efeito imobilizador que o atinge, uma habilidade dos sonhos para um tanque que quer chegar na sua cara e persegui-lo. Choquinho Cardíaco causa dano contínuo e armazena uma parte dele como Vida cinza, que no final das contas explode e cura Mundo se ele acertar um inimigo.

“A passiva de Mundo pode negar ultimates inteiras sob algumas circunstâncias e seu W permite que ele tenha acesso a níveis incríveis de sustentação quando ele se compromete a iniciar”, disse Twin Enso.

Em vez de forçar os jogadores de Mundo jogar suas funções de forma diferente, esse retrabalho apenas reforçará sua jogabilidade já existente. É bem simples: Mundo atinge acerta o Q. Mundo é tanque. Mundo cura. Mundo esmaga. E agora, os jogadores podem levar esse estilo de jogo agressivo um passo adiante, coordenando a passiva de Mundo para evitar os piores controles de grupo, usando-o para perseguir um carregador ou escapar de problemas.

Mas, como todos os retrabalhos de campeão, Mundo ofereceu alguns obstáculos únicos que os desenvolvedores tiveram que superar. Como Mundo foi criado especificamente para ser um campeão simples, “adicionar profundidade” ao seu kit foi o “maior desafio” do ponto de vista do design, de acordo com Reav3.

Imagem via Riot Games

“O kit antigo de Mundo era bem básico e preciso; realmente gostamos disso nele, mas também queríamos adicionar mais variedade ”, disse Reav3. “Foi difícil adicionar a quantidade ‘certa’ de habilidade para modernizar o campeão e ao mesmo tempo permanecer fiel à sua natureza simples.”

A Riot também teve que fazer malabarismos com “sensibilidades regionais” encontradas na narrativa do Mundo, já que ele está envolvido com cadáveres, mutilação corporal, tortura, uso indevido de drogas e produtos químicos e doenças mentais. Os desenvolvedores tiveram que transformar isso em uma “fantasia aspiracional” que não “perturbasse brutalmente” jogadores e culturas, de acordo com Reav3.

Quanto a como os desenvolvedores vão equilibrar Mundo se ele for forte ou fraco demais no lançamento, eles já têm alavancas de ajuste preparadas. Já que ele tem “defesas e ataques com estatísticas pesadas”, Twin Enso disse que há um plano para ajustar coisas como quanto dano de ataque ele ganha passivamente do E conforme sua Vida cai ou quanta Vida sua ultimate restaura. E com a Riot fazendo muitos testes com Mundo na rota superior e na selva, os desenvolvedores saberão exatamente como fortalecer ou enfraquecer as funções individualmente.


Certifique-se de nos seguir no  YouTube  para mais notícias e análises sobre esportes.

Artigo publicado originalmente em inglês por Andreas Stavropoulos no Dot Esports no dia 25 de maio.